Oposição articula CPI para tentar desgastar tesoureiro do PT

Diante da série de denúncias que envolvem o novo tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, a oposição já começa a propor que seja aberta uma investigação sobre o petista e a Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) no Congresso Nacional.

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

16 de março de 2010 | 00h00

Parlamentares admitem que as chances de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) são mínimas em ano eleitoral. Ainda assim, insistem no discurso de que uma apuração se faz necessária. "Essas acusações se arrastam desde 2006. Se não conseguimos avanços por outras vias, o caminho correto é a investigação congressual", diz o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN).

Na Assembleia Legislativa paulista, os partidos estão na fase de escolha dos nomes que irão compor a CPI da Bancoop. O mais provável é que a comissão seja presidida pelo deputado Samuel Moreira (PSDB), seguindo a tradição da Casa de entregar o posto ao autor do requerimento de criação da comissão.

Moreira apresentou o pedido de abertura da CPI da Bancoop em 2008. Mas a instalação só foi autorizada pelo presidente da Assembleia, deputado Barros Munhoz (PSDB), no último dia 9. A contar da data de publicação do ato no Diário Oficial, ocorrida no dia 10, os partidos têm um prazo de quinze dias para definir a lista de integrantes da comissão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.