Oposição critica desvios e pede investigação

Para líderes oposicionistas, problemas se devem à pressa de Lula de fazer marketing com programa[br]na campanha eleitoral

Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2011 | 00h00

A oposição defendeu a abertura de investigação pelo Ministério Público Federal para apurar as irregularidades do programa Minha Casa, Minha Vida apontadas ontem em reportagem do Estado. "Isso é um escândalo continuado do governo Lula; é uma notícia crime. Cabe ao Ministério Público Federal apurar. Não precisa nem a oposição pedir", afirmou ontem o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, para quem uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dificilmente terá chances de prosperar, pois seus integrantes seriam na maioria de partidos governistas.

O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), atribui os percalços à pressa do governo em inaugurar as moradias às vésperas das eleições. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se comprometeu a fechar 1 milhão de contratos do Minha Casa, Minha Vidas até o fim de seu governo.

"O governo tentou avançar muito rápido por causa da eleição", disse Rodrigo Maia. Ele defendeu a melhoria dos mecanismos de controle do governo para evitar o comércio ilegal de imóveis. "O programa é bom, mas não tem controle."

Para o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN), o Minha Casa, Minha Vida foi usado como peça de marketing nas eleições, sem na prática entregar as moradias prometidas. "Venderam uma fraude durante a campanha", disse.

Para o deputado Jutahy Júnior (PSDB-BA), os desvios detectados são "absolutamente previsíveis". "Nada do que está ocorrendo é surpresa. O programa deveria ser baseado no conceito orçamentário, onde são colocados recursos específicos para a construção de casas para as faixas de renda mais baixas", afirmou . "Mas da maneira como é feito só dá para o beneficiário alugar, vender ou não pagar as prestações."

Ex-ministro do Bem-Estar Social (1992-1993), Jutahy observou que a realidade histórica aponta para altos índices de inadimplência no financiamento de moradia para as faixas de renda baixíssima. "Nessa faixa é praticamente garantida a inadimplência. E isso só vai ampliar", ressaltou. "Esse programa é só propaganda."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.