Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Oposição critica medida e vê desvio de foco

Parlamentares defendem veto ao decreto; Rede afirma que ação desvia atenção de crise dentro da Polícia Federal

Daiene Cardoso, Igor Gadelha, Isadora Peron, Julia Lindner e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2018 | 03h00

BRASÍLIA - Pelo menos dois partidos da oposição - PT e PSOL - devem votar contra o texto do decreto de intervenção da Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro e outros tendem a ficar divididos. O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), anunciou que essa será a posição do partido. "Nossa opinião e nossa orientação para as bancadas será no sentido de que o PT votará contra esse decreto."

+ Congresso deve aprovar decreto na próxima semana

De maneira geral, os oposicionistas afirmaram que a intervenção foi medida tomada para criar uma "cortina de fumaça" e desviar o foco de possível derrota na votação da reforma da Previdência, que estava prevista para a próxima semana. "O governo tenta usar a intervenção como uma grande chantagem, como uma tentativa de tirar do seu colo o problema de não ter conseguido votos suficientes para aprovar a reforma da Previdência", disse o líder do PSOL, deputado Ivan Valente (SP), que orientará voto contrário.

No PSB, o líder Júlio Delgado (MG) admitiu que será difícil a bancada votar contra o decreto, diante da situação do Rio. Ele, no entanto, criticou o momento que a intervenção foi anunciada. "A gente sabe que não existe coincidência política. Cheira muito mal. A crise no Rio não começou ontem." 

+ 'A situação é grave, mas não está fora de controle'

Oposicionista, o senador Randolfe Rodrigues (AP), da Rede, afirmou que votará favoravelmente à intervenção por causa da calamidade na segurança fluminense, mas ameaçou recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso o governo suspenda o decreto para votar a reforma da Previdência, como já sugeriu o presidente Michel Temer. Para ele, a suspensão seria um "acinte" à Constituição. "Com a Constituição não se dá jeitinho. O decreto tem seu começo e seu fim, não existe suspensão de decreto, não existe essa modalidade", afirmou.

O deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) disse que deve votar a favor do decreto, porque o problema de insegurança no Rio precisa ser resolvido com urgência. "É necessário que algo seja feito e a Constituição tem essa previsão (de intervenção). As Forças Armadas já atuam no Estado e o resultado ainda não foi esperado", afirmou.

No entanto, Teixeira fez uma ressalva: "Observo com certa desconfiança a intervenção, porque a medida pode ser uma cortina de fumaça na derrota da reforma da Previdência. A medida também tenta desviar a atenção da recente crise gerada na Polícia Federal".

Isolado. Na base do governo, o único a se queixar foi deputado Pedro Paulo (MDB-RJ), aliado do ex-prefeito Eduardo Paes (MDB) e candidato a prefeito derrotado em 2016: "Foi uma surpresa. Desconheço na história uma intervenção que tenha provocado mudanças estruturantes, em geral são ganhos temporários que não enfrentam problemas mais profundos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.