"Oposição não quer melar nada; governo tem de tirar melaço que está em cima dele", diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou, nesta quarta-feira, 20, que a oposição não está querendo "melar o processo eleitoral", como acusou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante a Assembléia-Geral das Nações Unidas, em Nova York. "A oposição não está querendo melar nada. É o governo que precisa tirar o mel ou melaço que está em cima dele", disse FHC, antes de entrar para um painel no evento Clinton Global Iniciative.Fernando Henrique afirmou que o governo precisa mostrar objetivamente ao País que não está envolvido no caso do dossiê Vedoin, "entregando as pessoas que fizeram estas coisas equivocadas". "Se é que não houve ordem de cima, pois estão dizendo que não houve. Isto não tem nada a ver com a oposição. Tem a ver com o PT. É um problema do governo do PT", observou.Com relação à pergunta de Lula sobre a quem interessaria o dossiê, FHC respondeu com outra pergunta: "A quem interessa atacar o PSDB com um dossiê? E se o dossiê é contra o PSDB, certamente não é ao PSDB que interessa. Não interessa a ninguém, não interessa à democracia", acrescentou o ex-presidente.FHC advertiu que "o que está acontecendo no Brasil é uma coisa grave". Ele disse que nunca afirmou que foi um governo ou gente de um governo que patrocinou o dossiê. "Se for verdade, é gravíssimo, são pessoas da máquina do governo e da máquina do PT. O presidente tem que olhar para dentro de casa."O ex-presidente completou que, há tempos, já vinha alertando que "a questão principal do Brasil hoje é ganhar novamente a compostura e a moralidade pública". Ele reconheceu que Lula foi contra o dossiê Cayman, mas disse que não é verdade que Lula tenha entregado o dossiê aos acusados na ocasião. "Isto não é verdade. Ele nunca me entregou nada. Nem ele nem Thomaz Bastos me entregaram o dossiê."Fernando Henrique colocou em dúvida a possibilidade de o presidente da República não ter conhecimento sobre o dossiê. "Não posso achar que o presidente do meu País seja tão ingênuo assim. É grave ser tão ingênuo assim."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.