Organizações criminosas não intimidam o governo, diz Alckmin

"Tem jeito, sim". Foi o que disse o governador Geraldo Alckmin, em entrevista ao programa Brasil Urgente, da Bandeirantes, sobre a série de ataques sofridos pela corporação nas últimas 24 horas. A polícia suspeita que os crimes tenham sido uma reação da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) em retaliação ao resgate frustrado em Presidente Bernardes de integrantes da facção, na madrugada de segunda-feira. Alckmin, porém, não fez afirmações sobre os possíveis autores dos ataques. "Vamos aguardar a PM", disse. "Não haverá hipótese de organizações criminosas intimidarem (o governo). O governo não retrocederá".O governador lembrou a rebelião de fevereiro de 2001, quando os 29 presídios do Estado se rebelaram ao mesmo tempo, para dizer que a polícia vai enfrentar os criminosos e vencer, "novamente, como fizemos no passado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.