Órgão suspende contrato de R$ 18,9 mi com a Tech Mix

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) suspendeu o contrato de R$ 18,9 milhões com a empresa Tech Mix, fornecedora de mão de obra terceirizada. A decisão ocorre depois de o Estado revelar, no dia 17 de julho, que a empresa era de fachada e ganhou a licitação após a desclassificação de oito concorrentes que apresentaram preço inferior a esse valor. Os contratos eram para fornecer funcionários em áreas estratégicas, incluindo obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em pelo menos 20 Estados e no Distrito Federal.

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2011 | 00h00

A diretoria colegiada temporária do Dnit determinou anteontem que uma auditoria terá um prazo de 15 dias para investigar o caso e apresentar um parecer. Após esse parecer, a direção da autarquia decidirá o futuro dos serviços prestados pela empresa, que não receberá recursos do órgão dos Transportes durante esse período.

Licitações. Ontem, aliás, o Ministério dos Transportes anunciou a retomada das licitações do Dnit, após a suspensão de 30 dias imposta no início do escândalo de corrupção na pasta. Em nota, o ministério informou que, a partir de agora, estão liberadas as licitações e assinatura de contratos e de termos aditivos para empreendimentos em andamento "cujo prosseguimento seja essencial à garantia da segurança de pessoas e do patrimônio público federal". Tudo, no entanto, deverá ser aprovado pelo Ministério dos Transportes, segundo a nota.

A Valec Engenharia, também vinculada à pasta e envolvida na crise de corrupção, teve a suspensão das licitações prorrogadas por mais um mês. É o tempo para o governo decidir os futuros diretores da estatal.

Valec e Dnit atuaram em conjunto na contratação da Tech Mix e de uma outra empresa, a Alvorada Comercial e Serviços. O dono da Tech Mix, Luiz Carlos Cunha, é marido da dona da Alvorada, Alcione Petri Cunha. O contrato de R$ 5,8 milhões da Valec com a Alvorada foi assinado em 14 de dezembro, mesmo dia em que a Tech Mix foi declarada vencedora no Dnit. A Alvorada ganhou, em junho, um novo contrato, agora de R$ 7,4 milhões.

Os documentos do processo de contratação da Tech Mix mostraram o envolvimento de assessores indicados pelo PR e o uso de um documento do Ministério dos Transportes com indício de fraude, assinado por José Osmar Monte Rocha, um apadrinhado do deputado Valdemar Costa Neto (SP), secretário-geral do partido. Rocha foi demitido do cargo após o Estado revelar o episódio. O contrato foi assinado em dezembro pelo então diretor-geral do Dnit, Luiz Antônio Pagot, e o diretor executivo, José Henrique Sadok de Sá, ambos demitidos na "faxina" que ocorre no ministério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.