Órgãos de vítimas de massacre no Rio beneficiarão 41 pessoas

Ossos e tendões de um único corpo serão aproveitados por 33 receptores

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

08 Abril 2011 | 19h18

RIO - Quarenta e uma pessoas serão beneficiadas com córneas, ossos e tendões doados por famílias das vítimas do massacre de Realengo. O Banco de Olhos de Volta Redonda captou oito córneas, de quatro crianças, e o Banco de Tecidos do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia captou ossos e tendões de uma menina - que serão aproveitados por 33 receptores.

 

Veja também:

linkMais de dois mil vão a enterro de vítimas

linkMais um ferido tem alta; 10 seguem internados

 

Nenhuma das vítimas teve morte encefálica - por isso não foi possível a doação de órgãos nobres, como coração, rins e fígado. Outras cinco famílias autorizaram a retirada de ossos, mas isso não foi possível porque o tempo pós-óbito não permitiu a análise de amostras sanguíneas das vítimas.

 

A família do menino Igor Moraes da Silva, de 13 anos, tinha a intenção de doar os órgãos da criança, baleada na cabeça e no abdômen. Igor estava em estado gravíssimo e seu caso vinha sendo acompanhado de perto pela equipe da Central de Transplantes do Rio de Janeiro - havia compatibilidade de tipo sanguíneo com o menino Patrick Hora Alves, de 10 anos, que sofre de grave cardiopatia e recebeu um coração artificial há 17 dias, no Instituto Nacional de Cardiologia. Igor teve parada cardíaca, o que impede que os órgãos sejam aproveitados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.