Ortopedistas pedem adiamento do mototáxi

Doze mil ortopedistas do País, representados pela Sociedade Brasileira de Ortopedia (SBOT), enviaram carta à Presidência da República pedindo que a decisão sobre a aprovação do mototáxi seja adiada. O argumento do presidente da entidade, Romeu Krause, é que o Brasil não tem estrutura suficiente de fiscalização que garanta a segurança da medida. "Não somos contrários à profissão", afirmou. "Mas existe o consenso de que, do jeito que as coisas estão, o mototáxi só vai contribuir para aumentar as lesões permanentes e mortes no trânsito." Na carta, protocolada ontem, a SBOT fornece informações sobre o trânsito. Informa que apenas 11% dos caronas das motocicletas usam capacete e que os passageiros representam 39% dos mortos em acidentes envolvendo as motos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.