Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Os bailes que não acabaram: romances com mais de 4 décadas

Os namoros vêm de uma época em que havia supervisão da família; amor pelo carnaval continuou pelos anos

Juliana Diógenes e José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2018 | 03h05

Não é de hoje que as marchinhas unem corações por toda a vida. Foi em um baile de carnaval de uma cidade no interior mineiro que Loreny Apparecida Ciccetto, de 83 anos, e Altino Palhares, de 88, dançaram pela primeira vez. "Foi em 17 de fevereiro de 1958", crava ela. "Caiu na segunda-feira de carnaval." Em Jacutinga, o carnaval acontecia em bailes organizados por clubes. Loreny estava com quatro amigas no salão, quando entrou Palhares e a convidou para dançar. "Todas queriam dançar com ele", lembra.

+ Amor que dura além da quarta de cinzas

Mas naquele carnaval de 1958 Palhares não tinha intenções de curtir o bailinho. Ele estava com amigos em Ouro Fino, município próximo. O grupo acabou sendo expulso da cidade pela polícia, que os obrigou a partir. "Eles pegaram o ônibus e pararam um pouco em Jacutinga, onde havia uma pausa para seguir viagem. Ele lembrou que tinha parentes ali e aproveitou o intervalo para descer do ônibus e dar um abraço. Mas os parentes acabaram insistindo para o Altino ficar em Jacutinga", diz a professora aposentada. 

No dia seguinte àquela dança, o reencontro foi na pracinha da cidade. Os dois só se voltariam a se ver de novo 40 dias depois, na Semana Santa. "Fiquei insegura porque ele voltou para São Paulo, onde morava, e eu para Socorro (interior de São Paulo), mas não trocamos endereços. Voltei para Jacutinga na Páscoa esperando reencontrá-lo, mas pensava: Será que ele vai?", conta Loreny. Ele voltou e os dois começaram a namorar, à base de correspondências e encontros eventuais. 

Até que, em 1961 se casaram. Nas décadas seguintes, passaram a pular carnaval em Jacutinga sempre acompanhados: a cada folia, mais filhos e netos iam conhecer o local onde os patriarcas começaram o namoro. 

+ No Recife, maracatu perde lugar; Galo arrasta multidão nas ruas

Votos renovados. Já por 42 anos o microempresário Jairo Garófalo, de 60 anos, e sua mulher Elisabete Delponto Garófalo, de 57, desfilam juntos em blocos de Araraquara, interior paulista. "E em cada um renovamos os votos de amor para sempre. Continuamos unidos na vida e na folia", conta Jairo.

Eles se conheceram em um baile carnavalesco no Clube Palmeirinha, em 1976. Dançaram juntos e nunca mais se largaram. Ele diz que o casamento não mudou a disposição. "Não deixamos mais de participar do carnaval, desfilando em blocos e escolas de samba da cidade. Nossas filhas, a Marina e a Jordana, sempre nos acompanharam nos bailes e matinês. Hoje vemos que a Luiza (neta), embora pequena, também já gosta de vestir a fantasia." Este ano, o casal desfila em um bloco de amigos. "É uma brincadeira gostosa. Esperamos que possamos continuar nos divertindo por muitos anos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.