Os 'nanicos' que querem suceder a Lula

Candidatos de partidos pequenos que também disputam Presidência propõem ampliar Bolsa-Família, taxar bancos e liberar a economia

Luís Fernando Bovo, Ricardo Chapola, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2010 | 00h00

Reduzir o peso do Estado na economia, desocupar propriedades acima de 1.000 hectares para reforma agrária, socializar a educação, aumentar o valor do Bolsa-Família, priorizar a medicina preventiva, auditoria independente das contas públicas. Essas são algumas das propostas de oito candidatos "nanicos" que também disputam a Presidência.

O estadão.com.br e a TV Estadão entrevistaram oito candidatos. Eles apresentaram suas propostas, avaliaram a gestão Lula e comentarem sobre os principais concorrentes Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).

Entre os "nanicos" que disputam a sucessão de Lula, há nomes conhecidos e respeitados, como Plínio de Arruda Sampaio (PSOL). Há outros que já são conhecidos dos eleitores por conta de suas propostas, como Levy Fidélix (PRTB) e o seu aerotrem, ou por conta de seus jingles, como é o caso de José Maria Eymael (PSDC) - "ê, ê, Eymael".

Plínio não poupou críticas a Dilma e Serra. Segundo ele, as propostas de ambos, no fundo, dizem a mesma coisa e "têm raiz neoliberal". "Apesar das diferentes nuances feitas pelos adversários, nenhuma delas resolverá os problemas reais que acometem nosso País", afirmou.

Rui Pimenta (PCO) admite que não há chances de vencer. Ele afirma que o propósito de se lançar como candidato não foi a aspiração da vitória, mas, sim, para promover politicamente a classe operária. Pensamento oposto tem Oscar Silva (PHS), que faz planos para o caso de ser eleito. "Há muita insatisfação com os índices de segurança, saúde e educação e, por esta razão, que o PHS tentará trabalhar em cima destas propostas."

Eymael destaca que o importante é o investimento no setor público, como nos planos de carreira e políticas salariais competitivas. Américo de Souza (PSL) já possui um plano de governo nas livrarias, intitulado "Um Novo Brasil". Para ele, é essencial uma reforma tributária para rever e eliminar vários impostos e tributos, como IPVA e IPTU. Ele também defende o aumento do benefício do Bolsa-Família.

Zé Maria (PSTU) acha importante que a classe trabalhadora tenha representantes na disputa e que sejam propostos projetos socialistas no País. Fidélix, além da antiga proposta do aerotrem, pretende taxar os bancos para ampliar o Bolsa-Família. Mario de Oliveira (PT do B) quer liberar a economia, reduzindo ao mínimo a intervenção do Estado.

Rui Pimenta (PCO)

PROPOSTAS

O programa do partido é formado fundamentalmente pelas reivindicações tradicionais do movimento operário brasileiro e internacional. Defende a superação do capitalismo pelo socialismo.

TV. Veja a entrevista com Rui Pimenta

Levy Fidélix (PRTB)

Propostas

Seu primeiro ato seria abolir a lei de mercado. Defende uma reforma econômica-financeira.Construção do aerotrem, taxar os bancos e ampliar o valor pago aos beneficiários do Bolsa-Família.

TV. Veja a entrevista com Levy Fidélix

Oscar Silva (PHS)

Propostas

Oferecer serviços de qualidade aos cidadão. Enxugar os gastos do Estado. Implantação de um sistema de saúde que leve o atendimento particular a todos os cidadãos. A medicina preventiva também será prioridade.

{HEADLINE}

Veja a entrevista com Oscar Silva

Plínio de A. Sampaio (PSOL)

Propostas

Priorizar a educação e a reforma agrária. Propriedades acima de mil hectares, produtivas ou não, poderão ser desocupadas para futura reocupação. Outra medida é a socialização da educação.

Veja a entrevista com Plínio A. Sampaio

Mario de Oliveira (PT do B)

Propostas

Reduzir o peso do Estado sobre a economia. Projeto principal tem como base a liberação total da economia do País, com a menor intervenção estatal possível, reduzindo tributos e desonerando impostos, visando crescimento.

TV. Veja a entrevista com Mario de Oliveira

José Maria Eymael (PSDC)

Propostas

Novo modelo de gestão, fundamentada em 5 ferramentas: fim de cargos de gestão, plano de carreira, auditoria independente das contas públicas, melhorar o serviço público e fazer do tributo um instrumento de desenvolvimento.

TV. Veja a entrevista com José M. Eymael

Américo de Souza (PSL)

Propostas

Elevar a produção industrial brasileira e aumentar os empregos oferecidos. Fazer uma reforma tributária urgente, eliminando vários impostos, como o IPVA e IPTU. Ampliar o valor do benefício pago no Bolsa-Família.

TV. Veja a entrevista com Américo de Souza

Zé Maria (PSTU)

Propostas

A prioridade é mudar a estrutura econômica do País. Estatização de empresas que exploram recursos naturais, do sistema financeiro e a nacionalização da terra. Também livrar a dependência do Brasil ao capital internacional.

TV. Veja a entrevista com Zé Maria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.