'Os recursos do DF criaram uma cultura de salários generosos'

ENTREVISTA Ricardo Penna, ex-secretário de Planejamento de Roriz e de Arruda

Entrevista com

, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

Ex-secretário de Planejamento dos governos de Joaquim Roriz e José Roberto Arruda, Ricardo Penna não concorda com as críticas nem com planos para acabar com o Fundo Constitucional do DF. Discorda, também, da ideia de direcionar a parte do DF no Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) para municípios goianos e mineiros do Entorno. "É dizer "farinha pouca, meu pirão primeiro"" , afirmou.

O deputado Ronaldo Caiado quer que o auxílio financeiro do DF, via Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), tenha aplicação restrita a 19 municípios de Goiás e 2 de Minas Gerais da região do Entorno. O que o sr. acha disso?

A utilização deste momento de crise política para transformar o FCO em um fundo de Goiás me parece uma estratégia pontual, circunstancial da crise. O FCO é do Centro-Oeste, não é de Goiás. O deputado devia buscar o desenvolvimento do Centro-Oeste, em vez de criar uma polêmica que é dizer "farinha pouca, meu pirão primeiro".

A alegação é de que faltam investimentos no Entorno do DF.

Existe muito investimento do DF na área de saúde e educação do Entorno. Em 2009, foram investidos R$ 30 milhões em obras urbanas no Entorno, fora contratação de médicos. O DF investe e está preocupado com o Entorno, que faz parte da vida geopolítica e econômica da região. Entre 60% e 70% das pessoas que vêm estudar e trabalhar em Brasília são do Entorno. Dos serviços médicos prestados, muitos são para a população que vive lá. Goiás não dá muita atenção para o Entorno.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) alega que o DF possui arrecadação satisfatória, o que não justificaria mais o auxílio da União. O DF poderia se manter sem o dinheiro do FCDF?

Nenhuma chance. Já imaginou tirar mais de R$ 7 bilhões da receita? Só tem uma consequência: crise mundial, bomba atômica. Não teria jeito de pagar salários. Por mais que possa parecer que esteja crescendo, o Fundo tem cada vez menos dinheiro para pagar despesas de saúde, educação e segurança. Neste ano, o FCDF vai transbordar, falta pagar R$ 2,8 bilhões.

O crescimento dos salários do funcionalismo contribuiu. Não houve uso eleitoreiro do fundo?

O salário médio de professor no DF é de R$ 5 mil, tem médico que ganha R$ 12 mil, R$ 20 mil. É uma coisa louca. No futuro vai ser preciso enfrentar as corporações, os servidores públicos. Os recursos do DF criaram uma cultura de salários generosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.