Ossada encontrada é mesmo de Ivandel, conclui laudo pericial

Os exames periciais da ossada encontrada no dia 30 de maio, enterrada em terreno baldio em Capão Redondo, zona sul da capital, concluíram que se trata, realmente, dos restos mortais do jornalista e publicitário Ivandel Godinho, seqüestrado em outubro de 2003. O Estado havia antecipado o resultado do exame de DNA no dia 24 de junho. Contudo, para os familiares, que pagaram resgate aos seqüestradores pela libertação da vítima, e especial o irmão que gravou inúmeros apelos exibidos pela TV, só o laudo pericial poderia confirmar a morte de Ivandel.Policiais do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (DEIC), que investigavam crimes contra o patrimônio acabaram encontram integrantes da quadrilha que participou desse seqüestro. Durante as diligências, vários locais foram apontados como sendo onde foi enterrado o cadáver do jornalista. Recentemente, um dos presos acabou apontando o local exato. Na quinta-feira, o perito que examinou a ossada vai explicar os exames realizados e como chegou a essa conclusão. A coletiva está marcada para as 15 horas, no auditório do DEIC.O jornalista foi seqüestrado em 22 de outubro de 2003, na Avenida Brigadeiro Faria Lima. Os bandidos pediram R$ 5 milhões de resgate. Ivandel foi morto três dias depois, a coronhadas, supostamente após se desentender com um dos seqüestradores, e enterrado em um terreno baldio no Capão Redondo. Mas os criminosos continuaram tentando extorquir a família. No início de 2004, parentes de Ivandel chegaram a pagar R$ 50 mil de resgate.Em janeiro do ano passado, um adolescente apontado como participante do crime foi preso e apontou o local onde estaria a ossada do jornalista. Após exames, constatou-se que os ossos eram de um cachorro.A polícia chegou ao local onde foi encontrada a ossada verdadeira levada por Miguel José dos Santos Junior, o Juninho, que negociou o resgate do jornalista com a família. Juninho, que confessou o crime, trabalhou como motoboy na empresa de assessoria de imprensa de Ivandel. Este texto foi atualizado às 22h24

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.