Outras nove vítimas do acidente da Gol são identificadas

A Polícia Civil do Distrito Federal divulgou neste sábado mais nove nomes de pessoas que morreram no vôo 1907 da Gol, informou a divisão de comunicação do órgão em boletim à imprensa. Foram identificados com base nas impressões digitais as seguintes pessoas: Rolf Gutjahr, Ricardo Tarifa, Hélio Antônio Godoy, João Elói Ramos, Keila Bressan, Pedro Magalhães Peixoto, de apenas três anos, e Décio Chaves Júnior, o comandante da aeronave. Foram identificados por meio do exame de DNA mais duas crianças: João Ariano Granjeiro Calandrini, de um ano e seis meses, e Rayssa Geovana Costa Naranjo de dois anos. Até agora, foram divulgados 38 nomes de pessoas que morreram no vôo e cujos corpos tiveram identificação completa. Desses, 24 já foram retirados do Instituto Médico Legal (IML) de Brasília pelos familiares. Outros 25 corpos já foram identificados pelo IML de Brasília por meio do cruzamento dos dados colhidos pelos peritos que estão na região do acidente com as fichas de identificação das vítimas recebidas das secretarias estaduais de segurança pública. Assim, um total de 63 pessoas já foram identificadas em Brasília, onde está centralizado o processo. Os peritos do IML continuarão seu trabalho no próximo domingo. FamiliaresNeste sábado, a Comissão de familiares das vítimas do vôo 1907 da Gol protocolou formalmente junto à empresa aérea um pedido para que ela divulgue a lista oficial de pessoas que morreram no acidente. "Até agora só há uma lista informal na internet e que a gente sabe que contém erros, pois duas pessoas estão colocadas no mesmo assento e uma criança de colo que está na lista não foi no vôo", afirmou Jorge Cavalcante, um dos membros da Comissão.Os familiares receberam ontem da Gol o boletim de ocorrência que registra o acidente aéreo, emitido pelo Estado do Mato Grosso no último dia 3, às 17h15. O documento classifica o acidente de homicídio culposo, sem definir possíveis responsáveis. O boletim ajuda nos procedimentos legais em relação aos familiares e às vítimas do episódio, inclusive em eventuais pedidos de indenização. Mas Cavalcante diz que os familiares não estão preocupados com isso nesse momento. "Nossa preocupação agora é localizar os corpos que ainda estão desaparecidos", afirmou o membro da comissão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.