Ouvidor critica entrada de Tuma no caso Celso Daniel

O ouvidor da Prefeitura de São Paulo, Benedito Domingos Mariano, esteve hoje sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no centro da cidade, e criticou a entrada do delegado seccional de Taboão da Serra, Romeu Tuma Júnior, no caso do prefeito de Santo André, Celso Daniel. "Acho estranho que um caso com essa complexidade ter um seccional fazendo o mesmo tipo de trabalho que o DHPP e divulgando muito esse trabalho. Há conflito de forma de encaminhamento do caso", disse. Mariano foi ouvidor da Polícia Militar por cinco anos. Tuma respondeO delegado Romeu Tuma Júnior rebateu mais tarde as críticas do ouvidor-geral da Prefeitura, Benedito Mariano, ex-ouvidor de Polícia,sobre sua atuação nas investigações da morte do prefeito Celso Daniel."Eu não poderia prevaricar e ignorar o caso", disse Tuma Júnior, lembrando que o corpo do prefeito foi encontrado em suajurisdição. "O doutor Benedito Mariano, que já foi da polícia, deveria lembrar que o policial não pode fugir do cumprimento do dever."

Agencia Estado,

31 de janeiro de 2002 | 12h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.