Ouvidoria investiga 300 denúncias contra prefeitura

A Ouvidoria Geral do Município instaurou cerca de 300 procedimentos para investigar possíveis irregularidades na administração da capital paulista. Do total, cerca de 30% referem-se a denúncias de irregularidades praticadas por funcionários públicos, entre elas a cobrança de propinas.Segundo o ouvidor do município, o sociólogo Benedito Mariano, a cidade não está imune a problemas realcionados à corrupção. "Algumas denúncias são de servidores efetivos que não deixaram de praticar extorsão de dinheiro com a mudança do governo", afirmou Mariano. "É necessária uma investigação apurada para quebrar essa cultura."Além de denúncias de extorsão, a Ouvidoria estuda contratos de obras realizados em gestões anteriores. Em três meses, o ouvidor deve dar um balanço sobre os contratos suspeitos. Ele não quis adiantar quais obras são suspeitas de superfaturamento. "Estamos fazendo uma investigação criteriosa para não cometer equívocos", salientou.Outro alvo da Ouvidoria são as administrações regionais, principal foco de corrupção investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) e pela Polícia Civil, desde 1999. "Pretendemos apresentar um balanço completo para a prefeita, por região", disse Mariano, que não revelou quais regionais estão sendo investigadas.Além de problemas relacionados à corrupção, a Ouvidoria investiga casos relacionados a falhas no atendimento à população, como buracos que não são tapados, poda incorreta de árvores e mau-atendimento nos órgãos municipais. A Ouvidoria funciona na Rua Maria Paula, 270, 1.º andar. Telefone para denúncias: 0800-175717.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.