PAC vai destinar R$ 2,8 bilhões para obras em favelas do Rio

Lula diz que seu governo está empenhado em derrotar o crime organizado

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 19h17

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve assinar nesta segunda-feira, 2, um protocolo de cooperação com o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, para obras nas áreas de saneamento e urbanização previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ao todo, o governo federal deve repassar cerca de R$ 2,8 bilhões ao Rio. Os recursos são para a melhoria das condições de vida em favelas, entre elas a do Complexo do Alemão, onde 19 pessoas foram mortas em uma megaoperação na última quarta-feira, 27, e a realização de obras contra enchentes na Baixada Fluminense. Nesta segunda, Lula disse que seu governo está empenhado em derrotar o crime organizado. "Queremos competir com o crime organizado, na certeza que só vamos derrotá-lo na hora em que conseguirmos levar benefícios para os lugares mais pobres do País", emendou ele, citando especificamente o Complexo do Alemão. O dinheiro do PAC será destinado às áreas de saneamento e urbanização de favelas no Estado do Rio. "Se o Estado não cumprir o seu papel e não dar (melhores) condições ao povo, o narcotráfico e o crime organizado darão", complementou ele, sobre aplausos dos funcionários da Scania que participaram, na manhã desta segunda, de cerimônia em comemoração aos 50 anos da empresa no Brasil, em São Bernardo do Campo. Lula falou também do anúncio feito na semana passada, em São Paulo, de investimentos de R$ 7 bilhões do PAC para saneamento e urbanização de favelas em São Paulo. Ao citar os investimentos de R$ 3 bilhões que serão anunciados no Rio de Janeiro, o presidente destacou que esses recursos serão utilizados na urbanização do Complexo do Alemão, que tornou-se, mais uma vez, palco de conflito entre traficantes e policiais, com saldo de muitos mortos. (Com informações da Agência Brasil.)

Mais conteúdo sobre:
PAC violência Complexo do Alemão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.