Paciente que teve parte do útero retirado por engano vai processar hospital

A família da artesã Edina Sueli Nogueira,que se internou para operar varizes mas teve parte do útero retirado, decidiu processar o Hospital Nossa Senhora da Piedade, em Rio Claro, interior do Rio. Conforme o coordenador doConselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), José Ângelo Trindade Filho, o médico que a operou pode ter o registro cassado e a direção do hospital será responsabilizada, caso a denúncia seja confirmada.Moradora da cidade de Bananal (SP), Edina internou-se no hospital, no início do mês,para retirar varizes da perna direita. O município paulista faz divisa com o fluminense. Depois da cirurgia, conforme relato dafamília, a paciente foi informada que teve o abdome cortado e parte do útero retirada. O caso foi denunciado ao Cremerj regional e à 168ª Delegacia de Polícia, da cidade, queinvetigará o suposto erro médico.Trindade Filho informou que a guia de internação da paciente já foi solicitada ao hospital, mas ainda não foi entregue. O Cremerj deu prazo até terça-feira para receber o material, para dar seguimento às investigações sobre o caso. Afamília desconfia que possa ter ocorrido uma troca de prontuários médicos. Uma outra paciente deu entrada no hospital, no mesmo dia, para uma cirurgia no útero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.