Paciente vai receber remédio com maconha

Uma paciente de aids deve receber, nos próximos dias, o medicamento Marinol, que contém Cannabis sativa (maconha) em sua composição. O juiz substituto da 2ª Vara Cível de Santos, Frederico dos Santos Messias, concedeu uma liminar que determina o fornecimento do remédio pela prefeitura.De acordo com o despacho, a prefeitura de Santos deve fornecer o remédio no prazo de 72 horas, sob pena de multa diária no valor de R$ 500,00. O juiz considerou o medicamento "essencial para a preservação da vida" da paciente.Messias destacou o fato de o Marinol ter sido aprovado pelo FDA (órgão fiscalizador) americano, embora não seja registrado no Ministério da Saúde brasileiro. Messias distingue a maconha "enquanto substância entorpecente e destinada ao tráfico, da substância Cannabis sativa, destinada a tratamentos médicos".Para o juiz, "é costume do cidadão leigo e preconceituoso por excelência ligar a maconha ao seu aspecto negativo e desagradável, mas o fato presente revela a maconha com fins exclusivamente terapêuticos".A paciente beneficiada pela liminar descobriu que era portadora do HIV em 1993 e desenvolveu a doença a partir do ano seguinte. O coordenador do Programa Municipal DST/Aids/Hepatite, Ricardo Hayden, estranhou que a Secretaria de Saúde de Santos não tenha sido procurada pela paciente.O programa nunca havia fornecido essa medicação, mas, segundo Hayden, há importadores que têm o produto. "Os aspectos jurídicos estão sendo analisados e recursos financeiros estão sendo providenciados para a compra", disse ele, revelando que a determinação judicial será cumprida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.