Pacientes têm convulsão após cirurgias em hospital mineiro

A Vigilância Sanitária de Minas Gerais suspendeu nesta terça a comercialização dos lotes contendo dois anestésicos fabricados pelo laboratório Hipolabor, com sede na cidade de Sabará, na Grande Belo Horizonte. Os medicamentos podem ter causado convulsões em oito mulheres que passaram por cirurgias, entre quinta-feira e sábado, no Hospital São João de Deus, em Santa Luzia, também na Grande Belo Horizonte. Todas as pacientes foram submetidas ao uso da medicação, após passarem por cesarianas ou cirurgias uterinas. Das oito pacientes, seis continuam internadas.Três pacientes foram transferidas para CTIs de Belo Horizonte em estado grave. Outras três se encontram internadas no próprio Hospital São João de Deus e o quadro é estável. Os dois anestésicos fabricados pelo laboratório Hipolabor são o cloridrato de lidocaína e o cloridrato de bupivacaína. !Senti fortes dores na nuca e tive confusão mental. Só comecei a melhorar depois que fui novamente medicada", conta a babá Rosângela Porto, uma das pacientes que fez uso dos anestésicos.O Hospital São João de Deus, o único de Santa Luzia, é filantrópico e atende, em média, sete mil pessoas por mês. O hospital passa por reformas e mesmo assim vem mantendo o atendimento normal. A direção da unidade de saúde criou uma comissão de sindicância para apurar o caso. Porém, segundo o médico Paulo Auais, diretor clínico da unidade, a hipótese de infecção hospitalar generalizada está descartada. "Vamos apurar o que aconteceu. Mas não há a mínima hipótese de infecção hospitalar", diz.Em nota, o laboratório Hipolabor disse que ainda não foi notificado oficialmente pela Vigilância Sanitária. Na nota, o laboratório diz que vai processar o hospital que, segundo a empresa, não possui instalações adequadas para armazenar os medicamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.