Padrasto confessa morte de menina de 8

Corpo da criança estava em terreno baldio; mãe é acusada de participar

Marcela Spinosa, O Estadao de S.Paulo

26 de dezembro de 2008 | 00h00

O corpo de Poliana Cristina de Castro, de 8 anos, foi encontrado anteontem à tarde por um aposentado em um terreno baldio em Jandira, Grande São Paulo. Ela estava desaparecida desde o fim de semana. O padrasto da criança, Joel Marques Muniz de Oliveira, de 25 anos, confessou a autoria do crime quando recebeu a notícia de que o corpo havia sido achado. Apesar de a mãe de Poliana, a cantora Joseli de Castro, de 28, negar, a polícia suspeita de que ela tenha participado do assassinato. O casal está preso. Oliveira disse ter matado Poliana na madrugada de domingo com a ajuda de Roseli, que teria pego duas facas na casa. Os objetos, porém, não foram encontrados. Por causa do estado de decomposição do corpo, a polícia não conseguiu identificar se ela foi morta a facadas. Um exame necroscópico deverá apontar se houve violência sexual. A menina usava roupas, mas estava sem calcinha.Segundo vizinhos, Poliana foi vista pela última vez na noite de sábado, no Jardim Marília, local para onde o casal havia se mudado naquele mesmo dia com a menina e o filho de 6 meses. "Ela (Poliana) perguntou se eu tinha visto o padrasto, porque ele tinha saído para comprar pizza e estava demorando", disse o dirigente de tráfego Jonatan Barbosa, de 19 anos. Na noite de sábado, Joseli telefonou para seu irmão Edvaldo Pereira da Mota, de 34 anos, que mora em Vitória. "Ela chorava muito, disse que a Poli desapareceu depois de ter pedido para ela ir ao portão ver se o Joel estava chegando. Ela contou que ele chegou sozinho mais tarde, dizendo que não tinha visto a menina." No domingo, o casal registrou o desaparecimento de Poliana, iniciou uma campanha e chegou colocar cartazes com a foto da menina em ruas do bairro. Oliveira, que será indiciado por homicídio qualificado, foi transferido para o Centro de Detenção Provisória de Carapicuíba. Joseli está presa na Cadeia Pública Femina de Jandira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.