Padre acusado de pedofilia está preso em Sorocaba

O padre Alfieri Eduardo Bompani, de 58 anos, acusado de abusar sexuamente de 14 menores, está preso desde a tarde de ontem no Centro de Detenção Provisória (CDP) do bairro Aparecidinha, em Sorocaba. Ele estava sendo procurado pelas polícias Civil, Militar e Federal há quase dois meses, desde que sua prisão preventiva foi decretada pela Justiça. O padre divide uma cela com seis vereadores da cidade de Porto Ferreira, também acusados de pedofilia, e com um médico acusado de homicídio, além de outros presos. Bompani foi apresentado pelo seu advogado, Rubens Abramo Cutter, ao juiz criminal de Sorocaba, Maurício Vallala, que estava de plantão no Fórum. Ele prestou depoimento e foi levado ao CDP. A audiência foi acompanhada pelo promotor plantonista Gustavo dos Reis Gazzola. O padre negou que estivesse foragido da Justiça e contou que nas últimas semanas estava abrigado em casa de amigos, na cidade de Campinas. O advogado disse que vai entrar com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo para que o padre possa responder o processo em liberdade. Diário revelou relacionamentosBompani dirigia um programa de assistência a menores de rua na igreja de Nossa Senhora de Fátima, na periferia de Sorocaba, onde exercia a função de pároco. Ele foi acusado de pedofilia por um dos menores assistidos pelo programa. Durante o inquérito, outros 13 menores apresentaram-se para acusar o padre dos mesmos crimes. A polícia apreendeu um diário no qual Bompani descrevia seu relacionamento com os adolescentes. Ele foi denunciado pelo Ministério Público pela prática de atentado violento ao pudor, atos libidinosos e corrupção de menores contra todas as vítimas. Caso seja condenado, a pena pode ultrapassar 100 anos. Bompani esteve preso preventivamente em março do ano passado, mas foi libertado por falta de provas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.