Reprodução
Reprodução

Padre brasileiro é expulso do clero no Paraguai

Segundo a Diocese de Ciudad del Este, Jean Rogers Rodrigo de Sousa “foi dispensado de suas obrigações clericais” pelo papa Francisco

Rene Moreira, Especial para o Estado

21 de fevereiro de 2019 | 03h00

Às vésperas do encontro, um padre brasileiro, que havia sido transferido para o Paraguai, foi expulso nesta quarta-feira, 20, do clero, sob suspeita de abusos no Brasil. Segundo a Diocese de Ciudad del Este, Jean Rogers Rodrigo de Sousa “foi dispensado de suas obrigações clericais” pelo papa Francisco, conforme comunicado assinado nesta quarta pelo monsenhor Guillermo Steckling.

Quando Sousa era seminarista, em 1998, foi responsável por fundar dois institutos, que posteriormente constituíram a Fraternidade Arca de Maria, com sacerdotes e leigos dos dois sexos. Em 2006, houve acusações de mulheres já adultas, ex-freiras, ligadas à organização em várias cidades – que estariam sendo importunadas pelo então padre por Skype. Há queixas de estupro e masturbação. Hoje, o ex-sacerdote não tem mais ligação com a Arca de Maria.

Após passar por várias circunscrições, acabou na Diocese de Ciudad del Este. Há um ano, ele já havia sido suspenso de cerimônias e proibido de usar seu hábito até o fim da investigação. Meses depois, o jornal Folha de S. Paulo conseguiu contato com o religioso, que negou as acusações e disse ser alvo de “calúnia por 11 mulheres”. À época, as vítimas alegaram não ter buscado a Justiça por medo de expor as famílias. O Estado não localizou Sousa nesta quarta à noite. 

São Paulo. Ainda nesta quarta, continuava a coleta de informações sobre a mais recente intervenção do Vaticano em uma diocese brasileira, com denúncias de suposto abuso de coroinhas por um padre e suposto desvio de dinheiro de fiéis por um bispo no interior paulista. Os crimes teriam sido registrados em Americana, Araras e Limeira, no interior paulista. 

Um dos envolvidos é o padre Pedro Leandro Ricardo, de 50 anos, suspeito de fraude e acusado por quatro jovens de ataques sexuais na época em que serviam ao altar. Em vídeo, ele disse ser vítima de “boataria”. 

O outro investigado é d. Vilson Oliveira, bispo de Limeira, suspeito de fraude e de ser omisso em relação às denúncias de abuso. O religioso não vai se pronunciar. A apuração cabe ao enviado do papa Francisco, o bispo de Lorena (SP), d. João Inácio Muller. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.