Padre brasileiro vira 'flying priest' para a mídia internacional

Chamado de "padre voador" ou "padre audaz", Adelir de Carli ganha espaço no noticiário mundial

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

22 de abril de 2008 | 18h06

Austrália, Rússia e a Ilha de Malta, na Europa, estão entre os locais onde o caso do padre brasileiro Adelir de Carli, que desapareceu sobre o mar ao tentar bater um recorde de vôo com balões de festa, virou notícia. O sacerdote católico está sendo chamado de "Daredevil Priest" (algo como "padre audaz") pelo Malta Star; mas a maior parte da mídia de língua inglesa, incluindo jornais de diversas cidades dos EUA e Reino Unido, optou por "Flying Priest" ("padre voador").  O noticiário australiano PerthNow, em despacho de correspondentes em Brasília, refere-se ao veículo usado pelo padre - uma cadeira suspensa por cerca de1.000 balões - como "contraption" ("engenhoca") e destaca que De Carli levava "água, barras de cereais e pílulas". Da Rússia, a agência RIA-Novosti informa que o padre era um "pára-quedista experiente, e se refere à tentativa de recorde de De Carli como "jornada bizarra".   A agência Associated Press, citada no jornal Detroit News, de Detroit (EUA), diz que o padre realizou seu Vôo para levantar fundos para uma "parada de descanso espiritual" para caminhoneiros. De Carli pretendia chamar atenção para o trabalho de sua pastoral rodoviária. Por sua vez, o noticiário online do Yahoo Reino Unido e Irlanda cita um "funcionário da Igreja" afirmando que o padre "sabia o que estava fazendo e estava totalmente preparado para qualquer incidente". E um vídeo do lançamento do vôo do sacerdote está disponível na CNN.

Mais conteúdo sobre:
padrebalõesadelir de carli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.