Padre e prefeito vão analisar projeto para refazer templo que desmoronou

O padre Ronaldo Ferreira Vianna ficou abalado com o desmoronamento de parte da Igreja São Benedito, a primeira matriz de Cravinhos, na região de Ribeirão Preto, construída há mais de 120 anos. Somente a fachada da igreja, que será preservada, ficou em pé. O religioso está preocupado em prestar assistência à família que reside ao lado. Seu advogado, Luís Rodrigo Rigo Benzi, diz que uma casa já foi alugada para abrigar a família e o padre. Com o auxílio da comunidade, serão restituídos os objetos perdidos e reconstruídos os dois cômodos da residência que foram atingidos na queda das paredes da igreja, na terça-feira.O templo, fechado há três anos, tinha infiltrações, rachaduras e problemas no telhado. O local foi alvo de vândalos por duas vezes. Por isso, não tinha mais em seu interior três imagens, uma delas em estilo barroco. "É uma obra valiosa e o padre retirou dali para evitar ações de vândalos", afirma o advogado. Segundo o secretário de Serviços Urbanos, Itamar Bueno, o padre não queria envolvimento político na reforma e não aceitava ajuda para fazer as obras."O padre ficou tão traumatizado quanto a família. Ele jamais percebeu que a igreja iria desmoronar", garante Benzi. O advogado informou que o padre sabia da necessidade de reforma e de pintura, pois a construção é de 1888. "O madeiramento ainda estava bom", alega Benzi. Na segunda-feira, uma reunião com o prefeito José Francisco Matasso Ferdinando (PSDB) será realizada para discutir um projeto para o local. Benzi diz ainda que o pároco nunca recebeu proposta pública oficial para reformar a igreja.FRASESLuís Rodrigo Rigo BenziAdvogado"O padre ficou tão traumatizado quanto a família. Ele jamais percebeu que a igreja iria desmoronar""O madeiramento ainda estava bom""É uma obra valiosa e o padre retirou dali para evitar ações de vândalos"

Brás Henrique, RIBEIRÃO PRETO, O Estadao de S.Paulo

27 Fevereiro 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.