Padre espanhol é beatificado em São Paulo

Morto há apenas 23 anos, o padre espanhol Mariano de La Mata Aparício, da Ordem de Santo Agostinho, foi beatificado neste domingo na Catedral da Sé, no centro de São Paulo. A cerimônia, da qual participaram cerca de quatro mil fiéis, foi presidida pelo cardeal português José Saraiva Martins, prefeito da Congregação das Causas dos Santos, que veio de Roma especialmente para o evento. Essa é a primeira vez que uma cerimônia desse tipo acontece em São Paulo e a segunda, no Brasil. O padre chegou ao Brasil em 1931 e viveu aqui até 1983, quando morreu em São José do Rio Preto, vítima de câncer no estômago. Segundo as pessoas que o conheceram, dedicava-se aos mais humildes e às crianças e destacou-se na cidade como um incentivador aos esportes. Treze anos depois de sua morte teria ocorrido o milagre que qualificou sua beatificação. Segundo a Igreja, há 10 anos, o menino João Paulo Palloto, na época com 6 anos, foi atropelado por um caminhão, na cidade de Barra Bonita. As expectativas de sobrevivência eram remotas, pois o menino sofreu traumatismo craniano, hemorragia interna e teve até uma parada respiratória. Padres da cidade teriam orado para Mariano de La Mata, que intercedesse a Deus pela vida do garoto, que quatro dias depois já estava curado e sem seqüelas.Além de religiosos agostinianos, de outras ordens e seculares, familiares do beato, católicos paulistanos e de várias cidades do interior e membros de instituições sociais criadas e desenvolvidas por Mariano de La Mata Aparício, participaram da cerimônia o cardeal arcebispo de São Paulo, Claudio Hummes, recentemente nomeado prefeito da Congregação para o Clero, e o jovem beneficiado pelo primeiro milagre atribuído ao beato, hoje com de 16 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.