Padre Lanceloti acredita que prisão é primeiro passo

O padre Julio Lancelotti, coordenador da Pastoral dos Moradores de Rua, espera que a prisão dos suspeitos de participação nos ataques no centro de São Paulo signifique a primeira vitória na luta para desarticular a estrutura do crime organizado na região."O caso está iniciado, não encerrado. Este é o fio que pode nos levar para o subterrâneo da cidade, ajudar-nos a desvendar o poder paralelo, o tráfico de drogas e, assim, ir muito mais profundo nessa questão", disse, nesta sexta-feira, em Campos do Jordão.Para Lancelotti, uma investigação apurada irá descobrir pessoas mais influentes que simples policiais militares ou seguranças particulares. "Existe ali (na região central) uma organização de poder autoritária, um crime que tem a participação de agentes do Estado e que atinge de maneira opressiva os mais frágeis", afirmou.Segundo o coordenador da Pastoral, os moradores foram eliminados (sete morreram e oito ficaram feridos) por saberem demais ou por não terem quitado dívidas com o tráfico. "Eles não só vinham armazenando informações como, em certos casos, começaram a ter interferência e até uma participação ativa em alguns desses esquemas.Por fim, um apelo: "Os poderes públicos e o jornalismo investigativo têm de ir a fundo nessa questão e não deixar que esse caso caia no esquecimento".

Agencia Estado,

17 de setembro de 2004 | 17h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.