Paes se mantém fiel a Sérgio Cabral, mesmo após reunião com PSDB

Mesmo após três horas de reunião com o comando do PSDB fluminense, adepto da neutralidade na eleição estadual do Rio de Janeiro, o deputado federal tucano Eduardo Paes manteve nesta segunda-feira sua posição: vai apoiar e fazer campanha para o candidato do PMDB a governador, senador Sérgio Cabral Filho. Os dois lados, porém, saíram do encontro garantindo que a crise acabou, embora o peemedebista apóie, na disputa presidencial, a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), adversário de Geraldo Alckmin (PSDB). Apesar do discurso conciliador, porém, Paes, que concorreu ao governo no primeiro turno, voltou a atacar a candidata do PPS ao governo, Denise Frossard, cuja candidatura, em tese, sustenta a do presidenciável tucano."Acho a Denise Frossard uma tragédia absoluta", afirmou o deputado. "Mostrou isso no último domingo no debate da TV Bandeirantes. Ela é um horror."Pré-candidatura para prefeitoA reunião aconteceu nesta tarde e início da noite no apartamento do ex-governador Marcello Alencar. Além do anfitrião e de Paes, participaram o presidente regional do PSDB, deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha, o vice-prefeito do Rio, Otávio Leite, e o deputado estadual eleito José Zito, além de outros integrantes do partido. Secretário-geral nacional do PSDB, o deputado preocupou-se em explicar o motivo de ter tomado uma posição individual e em ressaltar que vai ficar no partido - muita gente comentava que o deputado se prepara para se filiar ao PMDB. O parlamentar afirmou que não vai aceitar nenhum cargo em um eventual governo de Cabral Filho."Já anuncio minha pré-candidatura a prefeito do Rio pelo PSDB", disse. "Não há hipótese de ir para o PMDB. Após a eleição de Sérgio, minha posição será de independência e desemprego." Ele disse que os problemas locais são "questiúnculas", que opõem regionalmente, em alguns casos, políticos que apóiam Alckmin: ele próprio, a candidata do PPS, o prefeito Cesar Maia (PFL) e o ex-governador Anthony Garotinho (PMDB), entre outros. O mais importante, destacou, é o apoio a Alckmin. Na entrevista ao Estado de S. Paulo, Paes referiu-se a Denise como "esta mulher" - a deputada é apoiada por Maia, desafeto do deputado federal tucano.O deputado estadual Luiz Paulo chegou a dizer que "houve reconciliação" com Paes. "A reunião teve um sentido muito positivo", afirmou. "Todo mundo é Alckmin. Foi uma reunião positiva e produtiva." Ele ressaltou que a posição regional do PSDB continua a ser a de neutralidade no confronto regional. Segundo o presidente do PSDB fluminense, boa parte do encontro foi dedicada a discutir detalhes da campanha do presidenciável tucano no Rio.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2006 | 21h09

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.