André Lessa/AE
André Lessa/AE

Pagodeiro acusado de matar a mulher reaparece e afirma inocência

Suspeito, que já teve prisão preventiva decretada, se entregou nesta quarta, mas não pôde ser preso devido à lei eleitoral; segundo ele, mulher teria se jogado da janela junto com filho

Pedro da Rocha, estadão.com.br

29 Setembro 2010 | 19h27

SÃO PAULO - O pagodeiro Evandro Gomes Correia Filho, denunciado pelo Ministério Público (MP) pelo assassinato da ex-mulher Andréia Cristina Bezerra Nóbrega, em 2008, que está com a prisão preventiva decretada, reapareceu hoje, 29, para reafirmar sua versão de que não matou Andréia. Ele não pode ser preso em razão da lei eleitoral.

 

O pagodeiro, que atualmente mora no nordeste, apareceu com peruca e barba falsa para não ser reconhecido, no escritório de seu advogado, Ademar Gomes. Na versão de Evandro e seu advogado, Andréia teria se jogado da janela com o filho do casal, Lucas.

 

Segundo o relato, o casal voltou de um shopping, no dia do crime, e foram para o apartamento em que moravam sozinhos. O filho foi posto no quarto. Ao abrir um garrafa de vinho, a mulher questionou o pagodeiro a respeito de um outro filho, recém-nascido, que ele teria com outra mulher. Ainda segundo a defesa, a mulher começou a agredir o marido verbalmente.

 

Eles discutiram e ela teria ido até a cozinha, pego uma faca e cortado a mangueira de gás. Evandro supostamente tirou o utensílio da mão dela. A mulher saiu, e quando o pagodeiro se virou, ela teria se jogado. Ele teria visto apenas o pé dela na janela.

 

Evandro então saiu pela porta aberta, desceu as escadas e encontrou os vizinhos, que se aglomeravam em baixo do prédio. Pensando que o filho estaria bem e com medo de ser linchado, ele fugiu.

 

Evandro diz que o desenho que Lucas teria feito à polícia, de um homem segurando uma faca em frente a mulher, seria o momento em que ele desarmou a mulher. A defesa alega ainda que a porta estaria aberta, que Andréia poderia ter gritado ou pego um objeto para se defender.

 

De acordo com o promotor Marcelo Alexandre de Oliveira, responsável pelo caso, Evandro agrediu fisicamente a ex-mulher e anunciou que mataria Andréia e o filho. O MP pediu à Justiça pena de 30 anos de prisão por homicídio qualificado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.