Pai asfixia filho de 2 anos para não pagar pensão

O operador de máquinas Eraldo Querobino Marcondes, de 26 anos, foi preso por matar seu filho, Eduardo de Carvalho Marcondes, de 2 anos e meio, por asfixia, anteontem à tarde, em Monte Alto, região de Ribeirão Preto. Ele levou o corpo numa mochila (que tentou queimar) a um matagal, a 15 quilômetros da cidade, à beira da rodovia que liga Monte Alto a Taiaçu. A confissão ocorreu horas após o crime. Ele justificou que cometeu o crime para não pagar a pensão alimentícia. Marcondes responderá a processo por homicídio doloso e ocultação de cadáver, que poderão render pena de 12 a 30 anos de prisão. O delegado de Monte Alto, Antonio Carlos Barros de Melo, disse que Marcondes até registrou boletim de ocorrência de desaparecimento do filho, retornando com uma foto do menino três horas depois. A Polícia Militar foi acionada para conter uma discussão na casa da mãe da criança. A justificativa de que o menino tinha sumido enquanto o pai tomava banho não convenceu ninguém. Na delegacia, Marcondes confessou o crime. Ele disse que pegou o filho na casa da mãe da criança, com quem não era casado, por volta de 15 horas. Uma hora e meia depois, o rapaz asfixiou a criança. Marcondes alegou que ganhava R$ 830 por mês e que não queria mais pagar a pensão, de R$ 150 mensais, nem plano de saúde.Ele está no Centro de Detenção Provisória de Serra Azul. O corpo do garoto foi enterrado ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.