Pai de Eloá é indiciado por homicídio em Pernambuco

Em Alagoas, ele é investigado por suposta participação em um grupo de extermínio

Ângela Lacerda, de O Estado de S. Paulo,

03 Novembro 2008 | 16h48

O ex-cabo da PM, Everaldo Pereira dos Santos, pai de Eloá Cristina Pimentel, assassinada pelo ex-namorado depois de ter sido mantida refém por mais quase 101 horas, é foragido da polícia pernambucana. Ele foi indiciado pela participação no assassinato do advogado José Volemberg Lins, então presidente do PMDB da cidade de Palmares, na zona da mata sul. O crime ocorreu no dia 20 de dezembro de 1989.   Veja também: Perguntas e respostas sobre o caso Eloá  Especial: 100 horas de tragédia no ABC   Mãe de Eloá diz que perdoa Lindemberg  Imagens da negociação com Lindemberg I  Imagens da negociação com Lindemberg II  Especialistas falam sobre o seqüestro no ABC Galeria de fotos com imagens do seqüestro  Todas as notícias sobre o caso Eloá       Cópias do inquérito, indiciamento e mandado de prisão preventiva seriam encaminhadas ainda nesta segunda-feira, 3, para a Polícia Civil de Alagoas, que, no dia 29, pediu informações sobre inquéritos e mandados de prisão em Pernambuco contra o ex-militar no período de 1987 a 1993. A polícia pernambucana fez o levantamento em nove municípios da zona da mata sul.   De acordo com o delegado de Palmares, Jandir Carneiro Leão, cinco homens foram indiciados pelo assassinato do advogado. Entre eles, Everaldo Pereira dos Santos. Em Alagoas, o ex-cabo é investigado por suposta participação em um grupo de extermínio. Entre os homicídios em que ele estaria envolvido consta o do delegado Ricardo Lessa, irmão do ex-governador Ronaldo Lessa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.