Pai de Eloá será julgado em Maceió neste sábado

Acusado de participar da execução de delegado, ex-militar está foragido desde enterro da filha em Santo André

Ricardo Rodrigues, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2009 | 18h51

O ex-cabo da Polícia Militar de Alagoas, Everaldo Pereira dos Santos, pai da estudante Eloá Pimentel, morta pelo namorado em outubro do ano passado, vai a julgamento amanhã, sábado, 7 de novembro, em Maceió. A data do julgamento foi confirmada nesta sexta-feira, 6, pelo juiz Geraldo Amorim, titular da 9ª Vara Criminal. Segundo o magistrado, se não comparecer ao julgamento, Everaldo será julgado à revelia por participação em um duplo assassinato.

 

Veja também:

linkMarcas persistem um ano após tragédia

especialEspecial: As 100 horas de tensão do sequestro de Eloá

 

O ex-militar está foragido desde o enterro da filha, em Santo André, no ABC paulista. Everaldo é acusado de participação na execução a tiros do delegado Ricardo Lessa, irmão do ex-governador Ronaldo Lessa (PDT), e de seu motorista, Antenor Carlota. O crime ocorreu na noite de 9 de outubro de 1991. O delegado e seu motorista foram metralhados dentro do carro, na frente da casa da sogra de Lessa, na Rua Mem de Sá, no bairro de Bebedouro.

 

Everaldo nega participação na morte de Ricardo Lessa, para quem já trabalhou como segurança, mas nos autos do processo já fortes indícios sobre a sua participação no crime. Na época, Lessa estava investigando um assassinato, ocorrido dentro da Unidade de Emergência - o principal Pronto-Socorro de Maceió, atribuído ao grupo liderado pelo ex-tenente coronel Manoel Cavalcante, para quem Everaldo trabalhava.

 

Na época, conforme consta nos autos, Ricardo Lessa teria mandando um recado a Cavalcante por Everaldo: "Diga a seu chefe que assuma o crime do pronto Socorro, porque se ele sabe matar eu também sei". De acordo com o juiz, o julgamento está previsto para ter início às 8 horas. Além de Everaldo, figuram como réus no processo o ex-tenente-coronel Manoel Francisco Cavalcante, Valdomiro dos Santos Barros, Valmir dos Santos, Everaldo Pereira dos Santos, José Carlos de Oliveira, José Luiz da Silva Filho, Aderildo Mariz Ferreira, Cicero Felizardo dos Santos, Edgar Romero de Morais Barros.

 

Contra Everaldo consta, inclusive, um mandado de prisão em aberto datado de 21 de julho de 2008, expedido pelo juiz Geraldo Cavalcante Amorim. Desde que a chamada "gangue fardada", comandada pelo ex-coronel Cavalcante, foi desbaratada, no final dos anos noventa, que Everaldo está foragido de Alagoas. O paradeiro dele em Santo André só se tornou público por causa do drama vivido por sua filha Eloá, que foi mantida presa e assassinada pelo ex-namorado Lindenberg Alves, dentro do apartamento da família.

 

Além de Eloá, também foi mantida presa a estudante Nayara, que no desfecho do sequestro saiu ferida no rosto, mas conseguiu escapar da morte. Eloá foi morta após a invasão do apartamento pela Polícia Militar. O caso, que durou mais 100 horas, mobilizou a imprensa nacional e revelou o esconderijo de Everaldo Pereira, que em São Paulo usava a identidade de Aldo José da Silva.

 

Durante o sequestro, Everaldo teria sofrido um mal súbito e foi encaminhado para um hospital local e desde então encontra-se foragido. Apesar da condição de fugitivo da Justiça, Everaldo Pereira constituiu advogado e será julgado amanhã. Mutirão A expectativa de Tribunal de Justiça de Alagoas é de que até dezembro, cerca de 180 processos sejam julgados. Neste sábado, o mutirão acontecerá na Faculdade de Direito do Centro de Estudos Superiores de Maceió (Cesmac).

 

Serão julgados os processos das 7ª e 9ª Varas Criminais da Capital - Tribunal do Júri, relativos à Meta 2 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que visa solucionar os processos distribuídos até dezembro de 2005 em todas as unidades judiciárias do país.

 

Em cada uma das 30 salas disponibilizadas funcionarão dois Júris por magistrado, nos horários com início às 8h e às 13 horas. Inicialmente, serão julgados 60 processos distribuídos igualmente para as 7ª e 9ª Varas Criminais da Capital. Com 180 processos pautados, o Mutirão do Júri prossegue nos dias 21 de novembro e 12 de dezembro.

 

Até o dia 18 de dezembro deste ano, o Poder Judiciário alagoano realizará um mutirão por semana. Além dos processos relativos ao Tribunal do Júri, acontecerão ainda nos dias 13, 20 e 27 de novembro, 04, 11 e 18 de dezembro o julgamento dos processos das demais Varas Criminais da Capital. No total, estão previstas 1.450 audiências.

Mais conteúdo sobre:
caso Eloá

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.