Pai de menino atacado por tigre é investigado por lesão corporal grave

Polícia abriu inquérito para apurar as circunstâncias do ataque; braço direito da criança precisou ser amputado 

Miguel Portela , Especial para O Estado

31 de julho de 2014 | 16h05

CASCAVEL - A Polícia Civil de Cascavel abriu nesta quinta-feira, 31, inquérito policial para investigar as circunstâncias do ataque de um tigre a um garoto de 11 anos no zoológico de Cascavel, na região oeste do Paraná. O pai do menino, Marcos do Carmo Rocha, de 43 anos, vai responder por lesão corporal grave. O menino teve o braço direito amputado e continua internado no Hospital Universitário.

As informações sobre a abertura do inquérito foram repassadas na manhã desta quinta-feira pelo delegado Denis Marino, que cuida do caso. “Fizemos um pedido para que seja feito exame no IML (Instituto Médico Legal), ouvimos o pai. Em seguida, vamos ouvir todas as testemunhas”, disse o delegado.

Segundo ele, o pai deve responder por lesão corporal grave e outras pessoas também poderão ser responsabilizadas. “Se descobrirmos que a guarda do local viu a ‘brincadeira’ e não tomou atitude, estes guardas também serão responsabilizados, da mesma forma”, afirma o delegado. A pena para este tipo de crime varia de dois a cinco anos de prisão. 

Marino também condenou a atitude de quem assistia e gravava a cena.“As pessoas preferiram tirar o celular do bolso e gravar o menino brincando do que fazer alguma coisa”. Em depoimento, Marcos do Carmo Rocha disse que estava com outro filho, de 3 anos, quando o de 11 anos se distanciou e avançou a área proibida para brincar com os animais. Ele alegou à polícia que quando percebeu o ataque bateu no tigre para que soltasse o braço do filho.

Depois de prestar depoimento à polícia, Rocha foi liberado. Ele e o filho de 11 anos moram em São Paulo. Rocha veio a Cascavel visitar o outro filho menor, que mora com a ex-mulher. A vítima permanece internada na ala de pediatria do HU, depois de passar por uma cirurgia de emergência na noite desta quarta.

Ele está acompanhado do pai, que se mostrou bastante chocado com o acidente. De acordo com a assessoria de imprensa do HU, o braço direito do menino precisou ser amputado, na altura do ombro. A assessoria também informou que o quadro clínico do paciente é “estável”. 

Área proibida. O ataque do tigre ao menino de 11 anos ocorreu na quarta-feira, quando o garoto estava em uma área proibida no recinto dos felinos. Ao colocar o braço direito dentro da jaula, o tigre, chamado de Hu, o atacou.

O menino teve o braço dilacerado. O caso chamou a atenção porque diversos visitantes alertaram o pai e também a criança dos riscos de mexer com o animal. No local, não havia nenhum funcionário do zoológico para avisar os visitantes sobre o perigo, apenas placas com avisos para não se aproximar das jaulas dos felinos. 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.