Pai de Pedrinho evita comemorar prisão de Vilma

Nada de comemorações declaradas. A prisão de Vilma Martins já era esperada por Jayro Tapajós, o pai biológico de Osvaldo Martins Borges Junior, o Pedrinho, que a empresária carregou de uma maternidade em Brasília com apenas 13 horas de vida.?Por motivos óbvios, não temos nada a declarar?, afirmou Jayro, que, antes de encontrar o filho, desaparecido por mais de 16 anos, sempre pedia justiça.?Nesta luta por justiça, nós já fizemos a nossa parte?, disse.Nesta segunda-feira, horas após a prisão de Vilma, Jayro evitou personalizar o caso: ?É uma ação pública, quem espera alguma coisa é a socidade brasileira?. Na noite deste domingo, Jayro soube por um jornalista que a polícia já havia localizado a foragida Vilma e a prenderia na manhã seguinte.Pedrinho, ao lado do pai, ouviu a história, e ?constrangido? entrou na casa da família Tapajós em Brasília, onde passou o fim de semana. Jayro e a mulher Maria Auxiliadora Braule Pinto, a Lia, conversaram com o filho ?abertamente? sobre o que poderia acontecer a Vilma, que também é acusada de ter seqüestrado Roberta Jamilly, sua outra filha de criação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.