Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Pai de vítima do voo 447 participa de pesquisa por sensores mais seguros

Pane nos tubos de pitot foi ponto de partida acidente; trabalho será feito por engenheiros da UFRJ

Tiago Rogero, Estadão.com.br

31 de maio de 2011 | 14h18

RIO - Pesquisadores de Brasil, Estados Unidos e França deram nesta terça-feira, 31, o primeiro passo para o desenvolvimento de sensores de velocidade mais seguros para as aeronaves. A pane no equipamento conhecido como pitot foi apontada pelo Escritório de Investigações e Análises (BEA, na sigla em francês) como o ponto de partida para a série de eventos que levaram ao acidente com o voo 447 da AirFrance, quando 228 pessoas morreram.

 

O novo laboratório será coordenado pelos professores do programa de engenharia mecânica da Coppe, da UFRJ, Átila Silva Freire e Renato Cotta. Segundo Cotta, que é pai de uma das vítimas do acidente, a médica Bianca Cotta, esse é o projeto mais importante de sua vida.

 

"Mais do que um dever, tenho a missão de usar meus conhecimentos e de meus parceiros para que acidentes como este não voltem a acontecer. A motivação profissional anda junto com a emocional, porque estou trabalhando não só pela Bianca, mas por todas as 228 famílias", disse o pesquisador.

 

O primeiro protótipo de um novo sensor de velocidade deve ficar pronto entre 24 e 36 meses. O custo estimado é de R$ 3 milhões, que inclui a construção de um túnel de vento, capaz de calcular as condições de funcionamento do pitot em temperaturas muito baixas, que será o primeiro do Brasil. Segundo o BEA, a pane dos sensores do Airbus foi provocada pelo congelamento deles.

 

Veja também:

link'Meu filho me pede um pai de brinquedo', diz viúva

link'O tempo piora a dor', diz pai de vítima

linkFalha técnica levou à queda do voo 447

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.