Pai denuncia traficantes da porta da escola do filho

A denúncia de um pai por telefone, pedindo que prendessem os traficantes que estavam levando seu filho para as drogas, possibilitou aos policiais do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) a prisão de dois acusados de vender papelotes de cocaína nas proximidades da escola.A prisão ocorreu na Rua da Pátria, Americanópolis, na zona sul de São Paulo. O vendedor de carros Douglas Mendes Saraiva, de 21 anos, e o desempregado M.F.V., de 17, estavam com 50 papelotes. Eles disseram aos policiais que cobravam R$ 5,00 cada um e vendiam para alunos da Escola Estadual Professor João Evangelista.Os dois estudaram no colégio do Jardim Bagdá, na zona sul, onde se conheceram. Disseram que abandonaram os estudos e passaram a vender cocaína e maconha. A Divisão de Inteligência e Apoio Policial (Diap) depois do telefonema fez um levantamento na região da escola.Saraiva e o menor foram presos no começo da noite desta segunda-feira. Saraiva foi autuado, e o menor encaminhado para a Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem). Desde julho, quando o Denarc iniciou a Operação Escola Segura, com o objetivo de prender microtraficantes que vendem drogas para estudantes, 188 pessoas já foram presas.BoateCom a senha "sou amigo do Alemão da Joaniza" policiais do Denarc encomendaram cocaína com Inaldo Batista de Oliveira, de 35 anos, gerente da boate Bela Café, na Rua Bento Freitas, 295, em Vila Buarque, região central da cidade de São Paulo.Acusado de vender papelotes de cocaína há muito tempo, em parceria com o segurança Fernando Francisco de Almeida, de 28 anos, e o marceneiro Kleber Moreira de Oliveira, de 24, Oliveira foi o primeiro a ser preso. Ele indicou os outros. Com os três foram apreendidos 50 gramas de cocaína e uma pistola Glock calibre 40.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.