Pai do menino S. está no Brasil e tentará ver o filho

O garoto vive com a família do padrasto brasileiro, o advogado João Paulo Lins e Silva

AP,

03 de junho de 2009 | 15h11

O americano David Goldman veio ao Brasil para reaver o a custódia filho, S., e declarou-se frustrado depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a decisão de um juiz federal do Rio, que ordenava que o menino fosse entregue ao consulado americano. Ele declarou que tentaria visitar o garoto ainda nesta quarta. 

STF impede que menino americano seja entregue ao pai

 

Goldman diz que pretende continuar a lutar pela criança, de nove anos, e declarou que ao telejornal Today, da rede NBC, que é frustrante ver o filho sendo mantido num ambiente "insalubre".

 O garoto vive com a família do padrasto brasileiro, o advogado João Paulo Lins e Silva. A mãe dele viajou para o Brasil em 2004, acompanhada do filho. Ao chegar ao País, ela telefonou para Goldman dizendo que o casamento entre eles acabara e que ela permaneceria com a criança. Ela se divorciou e casou de novo, mas morreu no ano passado.

 

A decisão da Justiça Federal derrubada pelo STF determinava o imediato retorno do menor aos EUA, baseando-se na Convenção de Haia, que inclui um dispositivo para combater o sequestro de menores. Goldman mantém uma campanha para levar o filho de volta aos EUA, com site na internet. Já houve inclusive protestos nos EUA pedindo o retorno da criança. Até mesmo a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, já tratou do tema.

Tudo o que sabemos sobre:
goldman

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.