Pai e filha são feitos reféns por 3 horas em Campinas

Engenheiro foi rendido por três criminosos, dois deles menores; todos foram presos

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

24 Agosto 2007 | 07h08

Um engenheiro de 53 anos e a filha, uma estudante de 20 anos, ficaram sob a mira de dois revólveres calibre 38 durante quase três horas, na noite de quinta-feira, em Campinas, no interior do Estado. Três criminosos invadirem a casa da família, localizada no Jardim Santa Marcelina, região de classe média alta da cidade. Às 20h30 o engenheiro chegava em casa, após um dia de trabalho, e foi rendido no momento em que guardava seu Mercedes Benz Classe A na garagem. Armados, Paulo Roberto Figueiredo, de 18 anos, e os menores J.C, de 15, e J.F, de 17 anos, renderam o proprietário da residência e entraram na casa, segundo a polícia. A filha também acabou sendo dominada. Um dos moradores da rua Geraldo Castro Andrade testemunhou a ação dos criminosos e ligou para o 190. "Chegamos e a casa estava trancada. Entramos em contato com o proprietário através do interfone e ele disse que estava tudo bem, mas não quis aparecer no portão. Foi aí que desconfiamos de verdade e acionamos reforço", disse um policial. Vinte carros da Polícia Militar cercaram a residência, que faz fundo para um condomínio, também de casas. Os criminosos já haviam separado jóias, dinheiro e eletroeletrônicos. A intenção era fugir no carro das vítimas. Eles ainda tentaram escapar pelos fundos, mas os policiais já haviam entrado no condomínio. "Eles queriam que deixássemos todos fugir. Depois exigiram a imprensa e parentes para se entregar", acrescentou o soldado da PM. O trio só se rendeu às 23h15 após parentes dos três aparecerem no local. Segundo os policiais, as vítimas não foram feridas pelos criminosos, que acabaram sendo presos. Paulo Roberto, que já tinha passagens por roubo, furto e porte ilegal de arma, foi indiciado por tentativa de assalto com retenção de vítima, porte ilegal de arma e corrupção de menores. Ele será transferido pela manhã para o 2º Distrito Policial, no bairro de São Bernardo, e depois para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Hortolândia, cidade vizinha. Os menores serão levados para a Fundação Casa - antiga Febem.

Mais conteúdo sobre:
refénsCampinasfamília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.