Pai e filha são presos por assassinato em Pernambuco

O funcionário público Djalma Pereira de Lima, 44 anos, e sua filha Emanuelly Natallie de Lima Pereira, 18 anos, foram presos na noite desta quarta-feira, 18, em Gravatá, no agreste de Pernambuco. Eles são acusados da morte de Vítor Sepúlveda Júnior, 43 anos, namorado da ex-mulher de Lima e mãe de Emanuelly, Edjane Gonçalves de Lima, 38 anos. Júnior foi morto com dois tiros na cabeça quando se encontrava na direção de uma caminhonete estacionada no quilômetro 79, à margem da BR-232, ao lado de Edjane. Pai e filha chegaram ao local em uma moto. Ele subiu no estribo lateral da caminhonete, quebrou o vidro e disparou dois tiros contra o rapaz. Avisada pela filha, que permaneceu na moto, Edjane baixou a cabeça e não foi atingida. Júnior havia ligado o carro pensando em fugir, e, com o pé travado no acelerador - provavelmente já morto - deu partida no carro. Edjane manteve a direção e oito quilômetros depois conseguiu parar, próximo a um posto da Polícia Rodoviária Federal.Júnior foi levado para o Hospital Regional de Gravatá onde já se encontrava Lima, que sofreu fratura exposta na perna porque quando o carro deu partida, ele caiu do estribo e o pneu traseiro passou por cima da sua perna. Lima assumiu a responsabilidade pelo crime e não envolveu a filha, mas ela confessou ao delegado responsável pelo caso, Ricardo Cysneiros, que estava com o pai e escondeu a moto e a arma do crime.Eles foram autuados por homicídio duplamente qualificado - motivo fútil e emboscada - e porte ilegal de arma. Emanuelly foi encaminhada para o presídio feminino Bom Pastor e Lima será levado para o presídio de Gravatá, depois de se recuperar de cirurgia no Hospital Otávio de Freitas, no Recife.De acordo com o delegado Ricardo Cysneiros, Edjane havia prestado queixa do ex-marido na delegacia de Gravatá, por agressão motivada por ciúmes de Vítor Sepúlveda Júnior, antes da separação do casal, há três meses. Lima, que trabalha como vigilante de uma escola pública, responde por um outro homicídio, ocorrido em 1999, no município metropolitano de Cabo de Santo Agostinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.