Pai é suspeito de matar a ex e sequestrar bebê

Câmeras mostram Evangelista saindo do local onde crime ocorreu

Daniela do Canto e Bárbara Souza, O Estadao de S.Paulo

24 de março de 2009 | 00h00

A polícia de São Paulo procura Janken Ferraz Evangelista, de 29 anos, o principal suspeito de ter assassinado a ex-mulher, a recepcionista Ana Cláudia Melo da Silva, de 18 anos, e sequestrado o filho do casal, de 1 ano e 8 meses. Para evitar que Evangelista saia da cidade, o Departamento de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP) espalhou fotos dele com a criança no colo nas rodoviárias e ainda fez buscas nos hotéis do centro da capital. Ana Cláudia foi morta a facadas no domingo no apartamento onde vivia, em um dos prédios do Condomínio Gemelli di Francesco, no Jardim da Saúde, zona sul de São Paulo. As câmeras de segurança do edifício registraram o momento em que o suspeito entrou no local, acompanhado de Ana Cláudia e do filho, por volta das 20 horas do domingo. Eles voltavam para casa após terem assistido à vitória do Corinthians sobre o Santos, no Pacaembu. Depois do jogo, Ana Cláudia teria ido aos vestiários do Corinthians e recebido um beijo no rosto do atacante Ronaldo. As câmeras também registraram o momento em que Evangelista deixou o edifício com o filho no colo, aproximadamente 40 minutos após os três terem entrado, com uma camisa diferente da que ele usava quando chegou ao local. Vizinhos foram ao apartamento e acharam a recepcionista morta no banheiro. A arma do crime, uma faca de cozinha, foi encontrada na lixeira da área de serviço.Segundo o DHPP, Ana e Evangelista tiveram um relacionamento marcado por brigas motivadas pelo ciúme do rapaz. O casal morou na Bahia por três anos. Em novembro, uma tia que criou a recepcionista desde os 2 anos resolveu ir buscá-la e a trouxe para São Paulo. Ana conseguiu a guarda do filho do casal, mas o pai tinha direito a visitas assistidas. Com o tempo, o relacionamento entre os dois melhorou. Mas as crises de ciúme teriam voltado nos últimos tempos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.