Pai que agrediu filhos será libertado

Em 2003, após acidente de trânsito, atirou bebê de 1 ano sobre carro

Rose Mary de Souza, CAMPINAS, O Estadao de S.Paulo

14 Abril 2008 | 00h00

O produtor artístico Alexandre Alvarenga, de 36 anos, sai esta semana do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Professor André Teixeira Lima, em Franco da Rocha (SP). Ele está internado por ordem judicial, acusado de agredir seus dois filhos após um acidente de trânsito, em Campinas.Em 2 de fevereiro de 2003, após bater sem gravidade seu Palio contra outro veículo, Alvarenga ficou transtornado, segundo testemunhas. Seguido pela esposa Sara, que levava o filho J., então com 13 meses, no colo, e a filha A., com 6 anos, pela mão, Alexandre jogou J. sobre uma Blazer, dirigida por um aposentado de 73 anos que viu o bebê perfurar o pára-brisa e cair ensangüentado em seu colo. A seguir, Alexandre segurou A. e bateu sua cabeça em uma árvore seguida vezes. O casal foi contido por policiais, que usaram tranqüilizantes. J. teve traumatismo craniano, com perda de massa encefálica. A. ganhou hematomas na cabeça. Ambos estão sem seqüelas.Após sua prisão temporária, exames apontaram que Alvarenga teria sofrido distúrbio psicótico. Foi encaminhado à Casa de Custódia e Tratamento Dr. Armando Amado Teixeira, em Taubaté, e transferido para Franco da Rocha. Sara foi acusada de não impedir o marido e esteve presa nas cadeias de Valinhos e Carandiru.No mesmo ano, conseguiu liberdade provisória e recuperou a guarda dos filhos. A desinternação do produtor foi determinada pela Vara de Execuções Criminais do Estado de São Paulo no último dia 7, mas trâmites burocráticos atrasaram sua saída, informou seu advogado, Antonio Gazato Neto. Há quase um ano seu cliente faz saídas assistidas de final de semana para visitar a família em Campinas. Por determinação da juíza da Vara de Execuções, Alvarenga deverá se apresentar mensalmente a um juiz, continuar com tratamento ambulatorial e tomar medicamentos. Ele deve evitar lugares com tumulto e avisar se for viajar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.