Pais com problemas mentais tentam matar filhos em Goiânia

Duas tentativas de assassinato a bebês ocorrem em mesmo bairro; crianças correm risco de morte

Rita Cirne, estadao.com.br

19 de março de 2009 | 19h38

Duas tentativas de assassinato a bebês ocorreram na madrugada desta quinta-feira, 19, num mesmo bairro de Goiânia - o Jardim Novo Mundo - mas em famílias diferentes e foram causadas a por portadores de doenças mentais que tentaram tirar a vida dos próprios filhos, segundo informa a delegada titular da Delegacia da Mulher, Miriam Borges de Oliveira. Os autores dos dois casos encontram-se presos no Pronto Socorro Psiquiátrico Wassily Chuc.

 

Veja também:

linkBebê agredido em Jundiaí está na UTI, mas não corre risco de morte

 

As crianças foram socorridas pelos vizinhas e correm risco de morte. As duas encontram-se na UTI do Hospital da Criança de Goiânia: uma de nove meses que recebeu nove tesouradas da própria mãe, Ivonete Fonseca Lima de Moraes, de 28 anos, e a outra de um ano e um mes, que foi jogada contra a parede várias vezes pelo pai, o PM aposentado de 37 anos, Abrão Soares Conceição.

 

"Os crimes ocorreram no mesmo bairro e durante a madrugada. Um à meia-noite e outro por volta das 4 horas da manhã. Se lembramos que há uma semana tivemos o caso do homem que pilotando o avião matou a própria filha e tentou matar a mulher, são três casos em uma semana na cidade. É alarmante e a sociedade precisa olhar com mais atenção para o crescimento dos casos de violência doméstica no País", afirmou a delegada.

 

Segundo ela, embora tenhamos a Lei Maria da Penha que foi criada justamente para proteger a mulher dessa violência, na prática, não é o que está ocorrendo. "Precisamos de políticas públicas que realmente amparem a mulher e as crianças que passam por situações como essa tragédia que vivemos hoje. Nesses dois casos, os agressores são doentes mentais que não estavam tomando a medicação que necessitavam", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
agressãobebêGoiânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.