Pais de Gabriela, morta por bala perdida, vão à Justiça

Os pais da estudante Gabriela Prado Maia Ribeiro, de 14 anos, morta por bala perdida numa estação de metrô em março, entrram hoje com uma ação na Justiça contra o Metrô Rio por danos morais e materiais. Eles querem que a empresa seja responsabilizada pela falta de segurança nas estações e pague indenização pela morte da menina.Os pais de Gabriela não fixaram valor para a indenização pela morte da filha na ação. ?O juiz vai estabelecer esse valor porque não há quantia que pague a perda da minha filha. Mas acredito que a partir do momento que a empresa sentir no bolso ela vá tomar providências?, disse Cleyde.O Metrô Rio informou por sua Assessoria de Imprensa que não comentaria o caso.Gabriela saiu de casa sozinha pela primeira vez na tarde do dia 25 de março para encontrar a mãe na Praça Saens Peña, zona norte. Ela tomaria o metrô na Praça São Francisco Xavier e desceria na parada seguinte, mas foi surpreendida por um tiroteio entre assaltantes, que roubaram a bilheteria, e policiais que estavam na estação. Gabriela foi atingida por uma bala perdida no peito e morreu no local.A família da estudante luta ainda para mudar seis itens do Código Penal, entre eles o que permite que o condenado por crime hediondo recorra em liberdade. A campanha ?Diga não à impunidade? já reuniu 400 mil assinaturas. A intenção é obter a adesão de um milhão de pessoas para propor uma emenda popular à Constituição. Quem quiser assinar o abaixo-assinado deve acessar o site www.gabrielasoudapaz.org.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.