Pais de menina que caiu do 9 5º andar vão se mudar de casa

Eles decidiram deixar prédio onde a menina morreu; 300 pessoas acompanharam enterro

Fabiana Cimieri, RIO, O Estadao de S.Paulo

15 Julho 2009 | 00h00

Os pais da menina Rita de Cássia, de 5 anos, que morreu após cair do quinto andar de um prédio, na noite de sábado, na zona norte do Rio, decidiram que vão se mudar do apartamento. Eles, que chegaram a ser presos em flagrante por abandono de incapaz, puderam acompanhar o enterro da filha. Em clima de comoção, outras 300 pessoas acompanharam o cortejo, na manhã de ontem, no cemitério de Irajá. A mãe de Rita, Fátima Rodrigues, desmaiou no momento em que o caixão baixava à sepultura. "Não vou suportar. Perdi o meu pai com 9 anos, já tive dois irmãos assassinados. Não vou aguentar, é muito triste, vou ter de pedir muita força", disse ela, que, assim como o pai da criança, Gílson Rodrigues Sena, estava à base de sedativos. Segundo amigos e parentes que acompanharam o funeral, o casal tem mais duas filhas, uma de 14 anos e outra de 18, que está grávida de 8 meses. A advogada Fátima Pandolpho, que também acompanhou o enterro de Rita de Cássia, disse que a partir de hoje voltará a trabalhar para defender o casal da acusação de abandono de incapaz. "A quantidade de pessoas que veio aqui prestar solidariedade mostra a boa conduta do casal com as filhas. Toda a sociedade está penalizada com a situação deles", disse a advogada. Os pais de Rita foram presos em flagrante após a morte da menina, por abandono de incapaz seguido de morte. Eles obtiveram liberdade provisória no começo da tarde de segunda-feira A tia da menina, Ione Maria Alves da Rosa, de 69 anos, disse que os pais estão sofrendo duplamente com a perda da filha e com a prisão, que chamou de injusta. "Foi uma injustiça. Eles não precisavam ir para a cadeia. Fátima era muito agarrada com a filha. Ela era a bonequinha dela. Tudo isso está muito errado", afirmou. "Sei que é a lei. Mas, com tanto criminoso solto por aí, isso não deveria estar acontecendo", completou o farmacêutico, Cleomilson Rodrigues, de 42 anos, tio de Rita. Sobre o acidente, a mãe contou que deixou a criança dormindo e desceu para buscar a outra filha. "Foi horrível, horrível. Vocês nem podem imaginar a minha dor. A minha dor é muito grande. Eu sempre tive zelo por elas", afirmou Fátima Rodrigues. Imagens do circuito interno de TV do prédio, em Tomás Coelho, na zona norte do Rio, onde a família morava, mostram que Rita de Cássia caiu da janela do apartamento depois que sua mãe a deixou sozinha por 19 minutos, para buscar os outros filhos numa festa julina. Fátima volta para casa às 23h23. A queda da criança foi registrada pela câmera do pátio 38 segundos depois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.