CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO

Brasil negocia com EUA facilitação de vistos

Mercadante disse que o governo voltou a colocar no 'radar' da pauta de negociações o pedido de isenção de visto para turistas brasileiros

O Estado de S. Paulo

19 de junho de 2015 | 21h16

No momento em que os Estados Unidos apresentam dificuldades de emissão de vistos em todo o mundo, o Brasil fecha detalhes para facilitar a entrada de seus cidadãos no país do Hemisfério Norte. O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, disse nesta sexta-feira, 19, que o governo brasileiro até voltou a colocar no “radar” da pauta de negociações bilaterais o pedido de isenção de vistos para turistas brasileiros.

O assunto deve ser um dos temas a ser tratado na visita que a presidente Dilma Rousseff fará no fim do mês aos Estados Unidos. “O Brasil é um país que não tem guerra com nenhum vizinho há 150 anos. O Brasil não é alvo de terroristas. A rejeição de visto para brasileiros é muito baixa. Vamos ver se conseguimos dar alguns passos para incrementar o turismo”, disse o ministro no 9.º Fórum de Altos Executivos Brasil-Estados Unidos, no Palácio do Itamaraty. 

Mercadante revelou que o desejo do governo brasileiro é retomar as negociações e ir além da adoção do Global Entry (sistema que permite a entrada sem passar por filas de imigração) –, que já deve ser anunciada. “Não sei se teremos respostas rápidas, mas é possível que a gente dê o primeiro passo, que está sendo amadurecido”, destacou o ministro, enfatizando que é preciso “aguardar a boa vontade americana”. 

A viagem de Dilma marca a retomada da relação entre os dois países, arranhada após a revelação de que a Agência de Segurança Nacional (NSA) havia espionado as comunicações da presidente, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Petrobrás. Foi por causa desse episódio que ela adiou a viagem a Washington, antes prevista para outubro de 2013. 

Naquela época, também já estavam sendo finalizados os detalhes para o anúncio da operação no País do Global Entry, que seria feito em Washington. A iniciativa beneficiaria inicialmente até 1,5 mil brasileiros.

Na época, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, também afirmara que se avançara nas discussões de um grupo de estudo para aos poucos acabar com a exigência de visto. O secretário de Estado americano, John Kerry, se disse empenhado em “apressar ao máximo” o processo. Depois disso, ainda cresceu a pressão de políticos americanos, sobretudo da Flórida, pela isenção.

Transtornos. Nesta semana, a suspensão das entrevistas para retirar o visto americano provocou transtornos para muitos brasileiros. Segundo a Embaixada no Brasil, a média de solicitantes para todos os tipos do documento é de 5 mil a cada dia. A Embaixada, em Brasília, e os Consulados de São Paulo, Rio e Recife suspenderam o atendimento até pelo menos o dia 26.

Entre os prejudicados está o estudante de engenharia de software Ian Pierson, de 21 anos, que corre contra o tempo para conseguir viajar e se apresentar no dia 2 no Indiana Technology Institute, em Fort Wayne, onde fará intercâmbio acadêmico.

“Estou desesperado.” Morador de Goiânia, Pierson foi obrigado a reagendar o processo, e a única data disponível foi o dia 7. “Vou ter de adiar a viagem e arcar com a despesa.”

Desde a infância, o sonho da advogada Virginia Rodrigues, de 33 anos, foi conhecer a Disney. Por isso, programou uma viagem com familiares e amigos. Moradora de Fortaleza, comprou passagem e pagou por hospedagem no Recife, onde faria a entrevista no consulado no dia 26. “Quero saber deles sobre as despesas já feitas. A única resposta que tive por e-mail é que realmente preciso reagendar.”

A pane na emissão de vistos, que atinge o mundo todo, foi provocada após falha no sistema de autorização da impressão do documento, em Washington. O problema afeta os pedidos de não imigrantes feitos após o dia 8 de junho. Mais de cem especialistas trabalham para solucionar o problema.

O QUE FAZER EM URGÊNCIAS

Agendamento obrigatório: Brasileiros com compromissos imediatos e inadiáveis nos Estados Unidos podem solicitar agendamentos emergenciais. Mas o primeiro passo é agendar uma entrevista por meio do site http://brazil.usvisa-info.com/. A página vai fornecer informações sobre a antecipação da reunião. 

Caso médico e negócios: A embaixada afirma que “se esforça” para antecipar entrevistas que tratem de urgências médicas ou de negócios. Pedidos por fax e e-mail não são aceitos. 

Cidadania americana: Já americanos com compromissos em seu país podem pedir um passaporte de emergência. Para isso, é preciso entrar em contato com a embaixada ou consulado mais próximo para fazer o agendamento e levar documentos que comprovem a cidadania americana, além de foto./ DAIENE CARDOSO, TÂNIA MONTEIRO, VERA ROSA e FELIPE RESK

Tudo o que sabemos sobre:
Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.