Palanque

Um giro pelas campanhas eleitorais

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2010 | 00h00

Mais de R$ 200 milhões para eleger o presidente

A análise dos gastos crescentes das campanhas faz o consultor político Ney Figueiredo apostar: o PT e o PSDB gastarão, cada um, mais de R$ 200 milhões na tentativa de eleger Dilma Rousseff e José Serra. "Acredito que seja bem mais que isso. Os fatos apontam para campanhas muito caras. A arrecadação não será difícil. Dilma é candidata de um governo bem avaliado. Serra tem bom trânsito no empresariado. Difícil é ganhar a eleição", diz.

Só a contratação da Blue State Digital, que fez a campanha de Barack Obama na internet e foi contratada pelo PT, é estimada em, no mínimo, US$ 20 milhões (R$ 36 milhões). A disputa para deputado federal também está inflacionada. Em São Paulo, Ney calcula gastos de cerca de R$ 4 milhões para um candidato à reeleição que não tenha eleitorado de opinião. Um estreante poderá gastar até R$ 10 milhões.

BRASIL

Um programa para muitos partidos

Dilma Rousseff tem encontro segunda-feira com o coordenador do programa de governo, Marco Aurélio Garcia. O PMDB divulgou suas propostas, mas as reuniões com os partidos aliados deverão ocorrer depois das convenções de junho. Os peemedebistas desistiram da proposta de cobrar dos alunos de alta renda mensalidades nas universidades públicas. "Não sou a favor da ideia. Oxalá o ensino fosse todo público e gratuito", diz Garcia.

PARÁ

PT e PMDB divergem sobre cargos públicos

A ocupação de cargos no governo da petista Ana Júlia causa atrito entre os antigos aliados. Os peemedebistas dizem que não participam da administração. A líder do PT na Assembleia Legislativa, Bernadete ten Caten, foi à tribuna dizer que "os órgãos que estão nas mãos do PMDB somam 340 cargos comissionados". Liderado pelo deputado Jader Barbalho, que deve disputar o Senado, o PMDB está decidido a lançar candidato próprio, contra a governadora. Ana Júlia investe em marketing e comemora pesquisa interna que aponta bom desempenho no interior.

SÃO PAULO

Últimas cartadas antes das convenções

Pré-candidato ao governo pelo PP, o deputado Celso Russomano, que tem em torno de 12% das intenções de voto, é cortejado pelo PT e pelo PSDB. "Sou o recheio do sanduíche", brinca. O PP, no entanto, ainda oscila entre Dilma e Serra.

PARANÁ

Lula entra em campo

Está programada para a próxima quarta-feira uma audiência do governador Orlando Pessuti (PMDB) com o presidente Lula. O quadro eleitoral no Estado é dos mais confusos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.