, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2010 | 00h00

Animação e mal-estar nas convenções

Convenções como as do fim de semana são momentos festivos, embora tenham uma animação protocolar. Os candidatos sempre saem sorridentes e com discurso confiante. Mas, tanto na festa tucana quanto no encontro petista, não havia como disfarçar alguns constrangimentos entre aliados. O DEM está incomodado com a tese de uma chapa puro-sangue, com o vice também do PSDB. O presidente democrata, Rodrigo Maia (RJ), estava com cara de poucos amigos. No PT, há uma ala revoltada com todas as concessões que o partido teve de fazer ao PMDB nas alianças estaduais.

BAHIA

Candidato a vice: o preferido e o provável

Na convenção do PSDB, em Salvador, Serra sentou-se perto do ex-governador Aécio Neves, que dispensou a missão de ser candidato a vice, e do presidente do partido, senador Sérgio Guerra (PE), o mais cotado para a função. Guerra foge do assunto, para não dar a impressão de que lançou o próprio nome.

BRASIL2

Marketing de Obama ainda faz escola

José Serra adaptou o "nós podemos" da campanha do presidente americano para "nós queremos", no discurso em que foi lançado candidato. Na versão original, Serra dizia, com frases curtas, que "a maioria dos brasileiros" quer investimentos, segurança, moradia, saneamento e arrematava com "eu também quero". No palanque, acrescentou o plural, para não parecer muito personalista. O tucano também brincou com a fama de mal-humorado: "Acreditem, por favor, eu sou muito bem-humorado. Cadê o Tasso Jereissati?" Bem-humorado e também irônico. Em 2002, Tasso se desentendeu com Serra e apoiou Ciro Gomes na disputa presidencial. Agora, o senador cearense promete empenho total pró-Serra.

RIO

Cabral só briga pelos royalties do pré-sal

Candidato a uma vaga no Senado pelo DEM, o ex-prefeito Cesar Maia (foto) registrou no Twitter a passeata de servidores estaduais marcada para quinta-feira. O governador Sérgio Cabral (PMDB) resolveu não responder aos adversários. Só grita pelos recursos do petróleo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.