, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2010 | 00h00

PSDB, em alerta, busca eleitor de Marina Silva

Na véspera da divulgação da pesquisa Ibope que mostrou a vantagem de Dilma Rousseff sobre José Serra, um integrante do núcleo da campanha tucana advertia para a possibilidade de a disputa presidencial ser decidida no primeiro turno, na contramão da maioria dos companheiros, que insiste em pensar na eleição em duas etapas. Para esse tucano, não adianta traçar estratégias para atrair o PV no segundo turno, se o eleitor de Marina Silva, que está estacionada, pode, ao longo da campanha, desistir da "terceira via" e optar por candidato mais competitivo. A estratégia seria, então, estudar as características desse eleitor alternativo e tentar conquistá-lo mais cedo.

CEARÁ

Mais um partido contra Cid Gomes

Depois de lançar candidato próprio para enfrentar o governador e ex-aliado Cid Gomes (PSB), o PSDB estimula a candidatura de Lúcio Alcântara pelo PR, com apoio do PPS. "A multiplicidade é interessante para o PSDB", afirma o presidente tucano no Ceará, Marco Penaforte. A candidatura de Tasso Jereissati (PSDB) ao Senado, diz Penaforte, "terá apoio de lideranças de vários partidos". Tasso e Ciro Gomes (foto), irmão de Cid, dizem que se afastaram politicamente, mas a amizade continua. Em julho, Tasso será padrinho de casamento de Lívia, filha de Ciro.

BRASIL2

Garimpagem internacional

Antes do banco Merril Lynch, a consultoria americana Eurasia Group procurou o PT em busca de informações sobre Dilma Rousseff, com foco nos planos de investimento da petista, caso seja eleita. Representantes do banco japonês Nomura também estiveram no Brasil, semana passada, para medir a temperatura eleitoral.

MATO GROSSO DO SUL

PMDB e DEM

chegam a acordo

Depois de desentendimentos que quase aproximaram o DEM do PT, o PMDB formaliza amanhã a aliança com os democratas pela reeleição do governador André Puccinelli. O vice-governador Murilo Zauith (DEM) disputará o Senado. Apesar dos esforços do Planalto, Puccinelli fechou apoio ao tucano José Serra.

PARAÍBA

Disputa por governo divide os tucanos

Palanque único de José Serra no Estado, o ex-governador tucano Cássio Cunha Lima, cassado em 2008 por abuso do poder econômico, decidiu não tomar nenhuma medida por conta da Lei da Ficha Limpa. Só irá à Justiça se o pedido de registro da candidatura ao Senado for negado. Na Paraíba, o PSDB se uniu ao ex-prefeito Ricardo Coutinho (PSB), aliado de Dilma Rousseff. Parte dos tucanos, porém, apoia a reeleição de José Maranhão (PMDB), que também está com a petista. "Apesar das dissidências locais, todos do PSDB estão com Serra", garante Cássio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.