Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2010 | 00h00

Petistas querem Dilma no Sul e tucanos pedem mobilização

Com a saída do Brasil da Copa, PT e PSDB entram de vez na campanha valorizando as pesquisas que lhes são mais favoráveis. Independentemente do discurso público, os dois lados estão atentos a algumas revelações dos últimos levantamentos. Petistas querem a presença de Dilma Rousseff no Sudeste e especialmente no Sul, onde José Serra lidera. Os tucanos se preocupam com o fato de que a exposição de Serra na TV, no horário destinado à propaganda do partido, não o favoreceu. Acostumado à análise de pesquisas, o ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM) chama atenção também para o fato de que a expectativa de vitória de Dilma é bem maior que a de Serra, o que influencia na mobilização da militância. A altíssima popularidade do presidente Lula continua a ser o trunfo dos petistas e o pesadelo dos tucanos.

BRASIL2

Promessas ao PTB e ao PP pró-Dilma

O comando da campanha de Dilma Rousseff tenta arregimentar o maior número possível de deputados e senadores do PTB e do PP. Promete participação nas decisões estratégicas e ajuda nas campanhas pela reeleição dos parlamentares. É uma tentativa de neutralizar o lado adversário das duas legendas, já que o PTB está formalmente com José Serra e o PP fez apenas um indicativo de apoio à petista, mas está com o PSDB em alguns Estados importantes.

MINAS GERAIS

Hélio Costa amplia papel de Patrus

O candidato do PMDB ao governo mineiro, Hélio Costa, adotou o discurso de que o ex-ministro Patrus Ananias (PT), que comandou o Bolsa-Família no governo Lula, "não é um vice qualquer". Bom orador e com boa popularidade entre os mineiros, Patrus terá grande visibilidade na propaganda eleitoral. Costa diz que, se eleito, o vice será o coordenador geral de toda a área social do governo. Pretende, com isso, ganhar a adesão definitiva dos petistas na campanha.

RIO GRANDE DO SUL

Chapa incompleta para o Senado

O peemedebista José Fogaça esperou até o último momento pelo apoio do DEM e do PTB, mas os dois partidos ficarão neutros na disputa gaúcha. Germano Rigotto (PMDB) será o único candidato ao Senado da chapa. No Espírito Santo, Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB)terá só a tucana Rita Camata na disputa pelo Senado. Aliados de Vellozo farão campanha também para Ricardo Ferraço (PMDB), candidato a senador da aliança adversária, liderada por Renato Casagrande (PSB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.