Palanque, um giro pelas campanhas eleitorais

BRASIL

, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

Em cima do muro

Assumir ou não meta de inflação abaixo dos atuais 4,5% ao ano? O que virá primeiro: reforma política ou tributária? Essas são duas perguntas ainda sem resposta sobre um possível governo de Dilma Rousseff. Semana passada, Dilma voltou a citar a reforma tributária como prioridade absoluta, se for eleita, o que não é consenso entre seus principais aliados. Em agosto, o ex-ministro Antonio Palocci falou na possibilidade de meta inflacionária "mais ambiciosa". A candidata escapou da discussão. Os petistas alegam em coro que primeiro é preciso vencer a eleição para depois tratar desses temas.

MINAS GERAIS

Mensagem aos conterrâneos

Na terça-feira à noite, Aécio Neves e Antonio Anastasia deram uma pausa na campanha de rua para gravar participação no programa de TV do paulista Geraldo Alckmin (PSDB). A iniciativa vai além do companheirismo de partido. O governador e seu antecessor querem chamar atenção dos mineiros, especialmente do interior, que têm antenas parabólicas em casa e recebem transmissão dos programas de São Paulo e não de Minas. Os tucanos enfatizaram o número do partido.

SANTA CATARINA

Pressa na reta final

O senador Raimundo Colombo (DEM), que disputa o governo, disparou e-mails para colaboradores com a recomendação de que insistam na comparação de sua produção legislativa com a das adversárias, a deputada Ângela Amin (PP) e a senadora Ideli Salvatti (PT). No Paraná, pressionado pela subida de Osmar Dias (PDT), o tucano Beto Richa distribuiu texto em que critica a "truculência" do governo estadual e lembra que faltam "menos de duas semanas" para 3 de outubro.

SOBE...

História

Vinte anos depois

Internautas se divertiram com o vídeo levado ontem por Sílvio Santos ao presidente Lula, com a entrevista do petista no Show de Calouros, em 1989.

E DESCE...

Problemas

Velhos Gargalos

Com exceção da inflação, as perguntas tratavam de problemas ainda não resolvidos, como educação e previdência.

PAC eleitoral

Fachadas dos apartamentos construídos com recursos do PAC na favela de Manguinhos (zona norte do Rio) foram tomadas por propaganda de candidatos aliados de Sérgio Cabral (PMDB) e Dilma Rousseff (PT).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.