Palmeiras no Aterro do Flamengo florescem e vão morrer

Árvores da espécie 'Corypha umbraculifera', do Sri Lanka, vivem entre 40 e 80 anos e morrem logo após florada

estadao.com.br,

24 Novembro 2009 | 14h08

Algumas palmeiras da espécie Corypha umbraculifera estão florindo no Aterro do Flamengo, onde foram plantadas na época da inauguração do parque, em 1965. A característica dessas palmeiras é que dão apenas uma florada durante toda a vida, que dura entre 40 e 80 anos. Depois da florada ela morre. É a maior florada do reino vegetal.

 

 

No site de Burle Marx, criador dos jardins que integram o Aterro, há um texto que explica como funciona a florada da espécie, natural do Sri Lanka. "Acima da copa de folhas em leque, que começam a secar e cair, forma-se nova copa, de oito metros de diâmetro, instituída de mais de um milhão de pequenas flores brancas. Quase um quinto das flores oferecem sementes férteis e, cumprida sua parte na tarefa de perpetuação da espécie, a palmeira morre". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.